Caminhoneiros fazem greve no Mato Grosso

Falhas na infraestrutura nos terminais ferroviários de Alto Araguaia e Alto Taquari são os motivos da paralisação. A empresa de logística ALL, responsável pelas unidades de escoamento, deverá tomar medidas emergenciais para solucionar os problemas

Caminhoneiro Nota 10 atende cerca de 600 motoristas em etapa na Região Nordeste
ValeCard entra na concorrência dos pagamentos eletrônicos de frete
Alagoas retoma obras de duplicação na AL-101 Sul

Os motoristas profissionais do Estado do Mato Grosso que escoam a produção de soja via ramal da ALL para o Porto de Santos (SP) estão em greve a partir desta segunda-feira. O movimento é liderado pela Federação dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário do Estado do Mato Grosso (FETTREMAT) e pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Terrestres. A greve prevê a interrupção do carregamento de soja  para os terminais ferroviários de Alto Araguaia e Alto Taquari, caso a empresa América Latina Logística (ALL) não atenda às reivindicações dos motoristas.

Na última segunda-feira, dia 9, trabalhadores e sindicalistas elaboraram uma pauta com 11 pedidos de reparação dos problemas nos terminais ferroviários; como poeira, turno reduzido da empresa, falta de conservação das rampas, espera de mais de 36 horas, entre outros. Tais falhas na infraestrutura prejudicam a saúde do caminhoneiro e causam prejuízos mecânicos nos veículos.

“Há muitos meses os representantes da empresa só fazem promessas que não saem do papel. Queremos uma ação concreta e definitiva para resolver os problemas dos terminais”, reivindica o presidente da FETTREMAT, Luís Gonçalves da Costa. “Já tentamos todos os artifícios, e não resta outra saída, a não ser o direito de greve, previsto pela Constituição Federal”, completa.

A greve ainda conta com o apoio da Associação dos Transportadores de Cargas do Mato Groso (ATC), do líder dos caminhoneiros autônomos e presidente da União Nacional dos Caminhoneiros (Unicam), José Araújo Silva (China), do Sindicam/MT e Sindicam/Sorriso.

Em nota à imprensa, a ALL explica que mais de R$ 13 milhões foram investidos em melhorias no ano de 2010. De acordo com a empresa, obras de pavimentação estão sendo realizadas com previsão de término em 120 dias.

A ALL também alegou que a paralisação não estava prevista na constituição, uma vez que os motoristas não eram seus contratados, prevendo tomada de providências judiciais contra a greve. Entretanto, a medida foi descartada pela Justiça do Trabalho de Rondonópolis (MT).

Uma liminar concedida pelo juiz Juarez Gomes Portela, da Justiça do Trabalho, obriga a ALL a providenciar em caráter emergencial medidas que melhorem as condições de trabalho dos motoristas, além de proibir a empresa de bloquear CPF’s de caminhoneiros impedindo o descarregamento das cargas transportadas. A decisão judicial também limitou o recebimento de caminhões nos terminais.

O descumprimento das medidas custará à ALL multa diária de R$ 5 mil, que será revertida em projetos sociais, campanhas educativas e preventivas dos trabalhadores. Apesar da conquista, o presidente da FETTREMAT alerta que a liminar não impedirá o movimento de paralisação.

Por Marília Brandão – Redação Portal Transporta Brasil

COMMENTS