Brasil desponta como um dos mercados mais importantes de caminhões em todo o planeta

Aquecimento da economia e programas de financiamento do governo federal são os principais fatores que mantêm o País na quinta posição do ranking de vendas mundiais de veículos pesados. Otimistas com o mercado, montadoras continuam investindo nos clientes brasileiros

ANTT já tem dez administradoras de cartão-frete
Ford lança nova linha Euro 5 na Argentina com modelos Extrapesados produzidos no Brasil
Fábrica da Freightliner no México produz 100 mil caminhões

O Brasil, quinto maior país em vendas de veículos pesados no mundo, continua em ritmo acelerado de crescimento no segmento de caminhões. De acordo com dados do Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores), de janeiro a julho deste ano, o mercado de caminhões registrou um total de 70.880 unidades vendidas, o que representa um aumento de 54,6% em relação ao mesmo período de 2009.

Para empresários do setor, as medidas adotadas pelo governo – como o PSI (Programa de Sustentação do Investimento), do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) – são um dos principais fatores que sustentam este crescimento expressivo no País. O projeto governamental contempla o Procaminhoneiro, plano que financia a aquisição de caminhões a autônomos e microempresários a juros de 4,5% ao ano; e o Finame, que viabiliza crédito por intermédio de instituições financeiras credenciadas.

“Medidas como a concessão do IPI zero para caminhões, prorrogada para 31 de dezembro de 2010, permitiram que o valor do veículo para o consumidor se tornasse mais atrativo”, esclarece José Alouche, diretor de Vendas e Marketing da MAN Latin America. De acordo com ele, a montadora, que detém a marca Volkswagen Caminhões e Ônibus vendeu nos primeiros seis meses deste ano um total de 35 mil unidades.

Alcides Cavalcanti, diretor comercial da Iveco Brasil, acredita que o aumento nas vendas do setor no País continuará em ritmo acelerado em 2011, independentemente das facilidades que os programas governamentais têm proporcionado. “O mercado de caminhões deve continuar crescendo até, pelo menos, uns quatro anos em função dos investimentos que o governo brasileiro precisa realizar para dar continuidade ao PAC”, ressalta.

Resultados verde-amarelos

Este crescimento atinge todas as montadoras de caminhão no País. A Mercedes Benz do Brasil, por exemplo, obtém um lucro no segmento de veículos pesados maior que a própria matriz na Alemanha, desde 2009. No caso da Ford, a filial brasileira ocupa o 3° lugar no rendimento global da empresa. O País também é o maior mercado da Scania. O Brasil também aumenta sua representatividade dentro da Volvo, Iveco e MAN Latin America.

Investimentos

Cavalcanti declarou que a Iveco intensifica seus investimentos no País desde 2007. “Um acumulado de R$ 570 milhões foram investidos na expansão do complexo industrial em Sete Lagoas (MG), duplicando a capacidade de produção”. O Brasil é o único país fora da Europa a possuir um centro de desenvolvimento de produtos, que possibilita a criação de soluções específicas para atender todo o mercado da América Latina.

A Ford também informou que vai investir, entre 2011 e 2015, R$ 4,5 bilhões destinados às operações da empresa no Brasil. Esta é a maior quantia destinada à filial brasileira em 90 anos de existência.

Visando ampliar ainda mais a capacidade de produção, a Mercedes-Benz anunciou R$ 1,2 bilhão voltado às unidades fabris de São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG), onde será instalada a linha de montagem do extrapesado Actros.

O Brasil, desta forma, consolida sua posição global no mercado de caminhões. O transporte de cargas em nosso País, ainda carente de regulamentação e de sensibilidade política, vai muito bem, obrigado!

Por: Marília Brandão e Victor José – Redação Portal Transporta Brasil

COMMENTS