Importações caem 51% no 1º quadrimestre do ano

Desde janeiro segmento vem contabilizando retrações em relação ao realizado em 2009

ANTT inicia discussão sobre novas concessões para ônibus interestadual
Construir veículos é negócio de alto risco
Lucro da Log-In cresce 64,5% em 2008

A crise mundial de 2008 acabou, mas os efeitos continuam respingando sobre a economia das empresas que importam via Porto Seco, a Estação Aduaneira do Interior (Eadi), que funciona no Distrito Industrial de Cuiabá. Após recuo de 57,14% no período de janeiro a março deste ano, as importações mato-grossenses continuaram em queda no primeiro quadrimestre, com desempenho negativo de 51,29% em relação a igual período de 2009.

De acordo com informações da área de logística do Porto Seco, as importações no período de janeiro a abril de 2010 recuaram de US$ 59,411 milhões para USS 28,942 milhões. O pior desempenho do ano foi verificado no mês de janeiro, quando as compras apresentaram queda de 65,99%, passando de US$ 25,929 milhões para US$ 8,821 milhões. A redução no volume de importações também foi verificada nos meses de fevereiro (-42,74%), março (-46,80%) e, abril (-32,82%).

Na avaliação do gerente de logística do Porto Seco, Elton Erthal, a principal causa da retração nas importações foi a desaceleração das indústrias fornecedoras. Segundo ele, a crise financeira mundial iniciada no final de 2008, nos Estados Unidos, refletiu na queda da produção industrial das economias afetadas, que não conseguiram atender à demanda dos países importadores.

Segundo Elton, a queda das importações no primeiro quadrimestre ficou acima do previsto, mesmo considerando a retração normal dos negócios no início do ano. No segundo semestre do ano passado os compradores mato-grossenses começaram a sentir o desaquecimento da produção industrial nos países exportadores, tanto que houve um recuo de 27% no volume das importações, que caíram de US$ 94,16 milhões para US$ 68,81 milhões.

Máquinas para a indústria, pneus, peças, agroquímicos (defensivos agrícolas) e matéria-prima para indústria plástica e da borracha foram os produtos mais procurados pelos importadores mato-grossenses no ano passado, quando as importações pelo Porto Seco avançaram 23,34%, passando de US$ 159,99 milhões para US$ 197,34 milhões.

No primeiro quadrimestre de 2010, os produtos mais procurados foram bobinas de aço, pneus, equipamentos para indústrias e matéria-prima para a indústria plástica. (Veja quadro)

Elton Erthal informa que os números das importações do primeiro quadrimestre de 2009 foram considerados “atípicos” porque uma grande empresa do setor de defensivos agrícolas de Rondonópolis (a 210 quilômetros ao sul de Cuiabá) comprou muitos contêineres no ano passado e, este ano, reduziu as importações pela metade devido às dificuldades de compra impostas pelo governo federal. Outra empresa [do setor têxtil], também de Rondonópolis, ampliou suas instalações e adquiriu novos maquinários e equipamentos.

“Acredito que o segundo semestre será de recuperação para o setor de importações, pois o mês de maio já dá claros sinais de que as compras vão aumentar”, crê.

Ele diz que o câmbio na casa de R$ 1,75 favorece as importações. “Se o dólar continuar no atual patamar, a tendência é de que as importações sejam retomadas em um ritmo mais forte”, analisa.

BENEFÍCIOS – O Porto Seco apresenta inúmeras vantagens em relação a outras modalidades que operam o comércio exterior. Os benefícios prevêem redução de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) de até 83,33% para produtos que não tenham similares produzidos em Mato Grosso. Além disso, todo o trâmite aduaneiro e o desembaraço da documentação tanto para importação quanto para exportação são feitos no próprio Estado, facilitando o procedimento para as empresas que querem vender ou comprar.

Link para a matéria original

COMMENTS