Ferroeste terá investimentos de R$ 17 milhões para aumentar a movimentação pela ferrovia

As duas novas empresas credenciadas - AB Comércio de Insumos, de Santa Terezinha de Itaipu, e Transportadora Binacional, com sede em Foz do Iguaçu - possuem larga experiência nas áreas de logística, agronegócio e comércio e irão realizar suas operações no Terminal de Cascavel, nos próximos dois anos e meio, com investimentos que somam aproximadamente R$ 17 milhões

Confenar e Mercedes Benz fecham parceria
Estudo sobre trem-bala começa a ser entregue
TAM vê vôo doméstico e alta redução em 09

Mais duas empresas, a AB Comércio de Insumos e a Transportadora Binacional, vão se instalar no Terminal da Ferroeste em Cascavel. Ambas acabam de ser credenciadas no processo de chamamento público que a ferrovia abriu para atender empresas interessadas em construir silos, áreas de transbordo, e movimentar cargas através daquele terminal.

“A parceria da Ferroeste com os produtores, cooperativas e cerealistas amplia-se a cada dia. As duas novas empresas vão dinamizar ainda mais o nosso Terminal e aumentar o volume de transporte realizado pela nossa ferrovia em pelo menos 200 mil toneladas anuais. Temos uma área total de 1,7 milhão de metros quadrados e vamos continuar cedendo áreas gratuitamente para toda empresa que queira construir às suas expensas instalações de armazenagem provisória e transbordo e firmar conosco contratos de transporte ferroviário de longo prazo. Garantimos regularidade no transporte e tarifas acessíveis, que serão sensivelmente reduzidas quando a Ferroeste não mais depender da concessionária ALL a partir de Guarapuava, o que ocorrerá com a construção do ramal Guarapuava-Paranaguá, previsto para iniciar em 2011 e terminar em 2013”, afirmou na última sexta-feira (16), o presidente da Ferroeste, Samuel Gomes, ao anunciar a decisão de credenciar duas novas empresas que se instalarão no Terminal José Carlos Senden Junior, em Cascavel.

“O próximo passo”, diz Gomes, “é a construção de um terminal público de containeres, inclusive frigorificados, para a qual já temos área reservada pelo nosso plano diretor, e que terá início nos próximos meses”

AS NOVAS EMPRESAS – As duas novas empresas credenciadas – AB Comércio de Insumos, de Santa Terezinha de Itaipu, e Transportadora Binacional, com sede em Foz do Iguaçu – possuem larga experiência nas áreas de logística, agronegócio e comércio e irão realizar suas operações no Terminal de Cascavel, nos próximos dois anos e meio, com investimentos que somam aproximadamente R$ 17 milhões. Os recursos serão aplicados nas obras de instalação e sistemas de armazenagem provisória e transbordo. O edital de chamamento previu que as empresas devem iniciar provisoriamente suas operações no prazo de oito meses, a contar da assinatura do contrato de transporte e do termo de permissão de uso gratuito de área no terminal.

AUMENTO NA MOVIMENTAÇÃO – O gerente de logística da AB Comércio de Insumos, Valmir Wiest, informa que a capacidade de armazenamento da empresa no Terminal de Cascavel será de 60 mil toneladas “com possibilidade de ampliação”. Segundo ele, a área do empreendimento é de 50 mil m2. Atualmente, explica, a empresa movimenta 300 mil toneladas por ano, sendo que o novo terminal de transbordo que será instalado na Ferroeste responderá pela movimentação de “no mínimo 100 mil toneladas anuais, devendo chegar a mais”.

O gerente da AB Insumos acredita que o projeto no Terminal da Cascavel deve incrementar os negócios do grupo. “Hoje movimentamos 300 mil toneladas/ano, mas com o terminal poderemos aumentar nossa capacidade porque o investimento, num ponto estratégico como é o Terminal de Cascavel, vai melhorar bastante nossa logística de transporte. Por isso acreditamos muito nesse projeto e na Ferroeste. Estamos também otimistas com a criação da Ferrosul”.

A AB Comércio de Insumo vai investir R$ 15 milhões em obras de pavimentação, construção de escritórios, terminal de transbordo, silos e secadores. A empresa vai ocupar 50 mil m2 de área no terminal e o contrato prevê movimentação inicial de 80 mil toneladas/ano de cargas ferroviárias.

No caso da Transportadora Binacional, o aporte para as novas instalações será de R$ 1,8 milhão. O gerente administrativo, Sérgio Antônio Razeente, disse que a empresa vai ocupar uma área total de 20 mil m2, sendo 3.200 m2 de área construída dentro do terminal. A estimativa da empresa é movimentar até 100 mil toneladas de grãos por ano.

“Hoje o custo rodoviário torna o transporte muito mais oneroso”, afirma Razeente. “Com o suporte da Ferroeste, os custos vão baratear e, além de poder servir melhor os nossos atuais clientes, também iremos prestar serviços para terceiros em Foz do Iguaçu, Cascavel, Paraguai e Argentina”. Segundo o executivo, “a idéia é fazer operações em Ponta Grossa, Porto de Paranaguá e em toda a região Oeste a um custo mais barato. Vamos ter estrutura de armazenamento no Terminal da Ferroeste, o que favorecerá bastante a distribuição”, conclui.

EMPRESAS JÁ INSTALADAS – Atualmente doze empresas já se encontram instaladas no Terminal de Cascavel, ocupando 620 mil m2 dos 1.71 milhão de m2 ocupáveis. O processo público teve como objetivo chamar as empresas interessadas em obter a Permissão de Uso, que é gratuita, nas áreas disponibilizadas pela Ferroeste. “Novas áreas serão colocadas à disposição das empresas que queiram aqui se instalar, respeitado o planejamento estabelecido no plano diretor de ocupação das áreas”, reafirma Samuel Gomes, diretor presidente da Ferroeste.

Para participar do processo, as empresas que foram credenciadas tiveram que comprovar experiência no setor requerido e também que atuam na área de influência da Ferroeste, assim como apresentar anteprojeto de construção para as suas instalações dentro do terminal. O perímetro da área a ser cedida é proporcional ao volume de carga que a empresa está se comprometendo a movimentar pela ferrovia considerando os últimos três anos e tendo em vista quantidades mínimas definidas por ano, distribuída segundo uma programação mensal. “Apoio ao setor produtivo. Esta é a política da Ferroeste, porque é a política do governo do Paraná. Com a Ferrosul, este processo de indução do desenvolvimento econômico e social no interior e de fortalecimento dos nossos portos através do transporte ferroviário será uma política regional dos estados membros do Codesul”, conclui o presidente da Ferroeste.

Link para a matéria original

COMMENTS