Desconto em tarifa da Inframar amplia competitividade do Porto de Paranaguá

Para o presidente do Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado do Paraná (Sindapar), Victor Manuel Simões Pinto, a redução tarifária servirá de estímulo para atração de navios ao Porto de Paranaguá. “Esse é um pleito antigo do Sindapar, que vai refletir na competitividade, principalmente, com o Porto do Rio de Janeiro”, afirmou

ANTAQ prepara norma sobre trânsito seguro de produtos perigosos em instalações portuárias
Projeto exige transparência na aplicação de receita de multas
Exportações pelo Porto de Paranaguá cresceram 42,45% em agosto

Os navios que utilizarem o Porto de Paranaguá para abastecimento e manutenção terão desconto de 50% na tarifa de Infraestrutura Marítima de Proteção e Acesso (Inframar). A medida proposta pela Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), por meio da Portaria n.º 52/2010, foi aprovada, por unanimidade, pelo Conselho de Autoridade Portuária (CAP), durante reunião do colegiado realizada nesta quinta-feira (15).

Para o presidente do Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado do Paraná (Sindapar), Victor Manuel Simões Pinto, a redução tarifária servirá de estímulo para atração de navios ao Porto de Paranaguá. “Esse é um pleito antigo do Sindapar, que vai refletir na competitividade, principalmente, com o Porto do Rio de Janeiro”, afirmou.

Segundo Simões Pinto, o Porto do Rio de Janeiro vinha sendo uma opção para o abastecimento das embarcações pela flexibilidade para esse tipo de operação. No entanto, as empresas de navegação que operam rotas dos portos do Sul para África do Sul e Ásia, por exemplo, quando optam por abastecer no complexo carioca, são obrigadas a desviar a rota, o que representa tempo e custo adicional. Já nos portos de Santos (SP) e de Rio Grande (RS), o abastecimento só pode ser feito durante o dia e com os navios atracados.

O Sindapar não chegou a fazer um estudo do impacto do desconto da tarifa Inframar na redução dos custos operacionais das agências de navegação. O presidente da entidade estima que, evitando-se o deslocamento ao Rio de Janeiro, por exemplo, há um ganho de, pelo menos, dois dias. Considerando que o custo diário de um navio Panamax (grandes navios graneleiros) é, em média, de US$ 35 mil, haveria uma economia de US$ 70 mil.

O superintendente da Appa, Daniel Lúcio Oliveira de Souza, lembrou que a redução da tarifa Inframar para abastecimento e manutenção de embarcações era uma reivindicação antiga da Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Paranaguá (Aciap) e que, inclusive, já havia sido sugerida pelo CAP, em 2006. “Além de atender essa demanda, nós incentivaremos a atração de novos negócios a Paranaguá, estimulando a geração de novos postos de trabalho e renda para o município”, complementou.

REGRAS – Uma outra portaria editada pela Appa e apresentada à comunidade portuária na reunião do CAP desta quinta-feira (15) – a de n.º 53/2010, estabeleceu regras para o abastecimento dos navios na área dos portos organizados de Paranaguá e Antonina. A principal delas é a proibição da transferência de produtos petrolíferos ou outros combustíveis entre embarcações atracadas ou que estejam em áreas adjacentes aos portos.

O abastecimento, portanto, só poderá ser feito em áreas de fundeio, com todo aparato de contingência para um eventual acidente como barreiras de contenção e a presença de embarcação de apoio e pessoal qualificado no atendimento a emergências ambientais.

De acordo com o superintendente da Appa, essas exigências estão alinhadas à Portaria n.º 32, da Diretoria de Portos e Costas, baixada no último dia 2 de março. Souza destacou que as medidas restritivas atendem reivindicações dos próprios operadores portuários, que se remetem ao acidente com o navio Vicuña, ocorrido em novembro de 2004, para sustentar o pedido de restringir as operações de abastecimento de embarcações atracadas.

Link para a matéria original

COMMENTS