Alívio para o tráfego (CE)

A execução dessas obras estabelecerá um sistema para a circulação de veículos cargueiros de grande porte, desafogando o embaraçado tráfego de várias regiões da cidade despreparada para suportar seu peso

MAN Latin America entrega doze caminhões feitos sob medida para a Translog
Velocidade máxima na BR-116 pode ser 60km
Volkswagen também reforça frota de ônibus da Infraero durante a Copa

Duas obras públicas da maior relevância para o sistema viário de Fortaleza chegam à tona: a conclusão, nos próximos dias, da ponte sobre o Rio Cocó, à altura da Praia da Sabiaguaba, e a duplicação, no prazo de 720 dias, da pista do Anel Viário interligando as BRs 116, 020 e 222 com as Rodovias Estaduais CE-060, CE-065 e CE-040. A execução dessas obras estabelecerá um sistema para a circulação de veículos cargueiros de grande porte, desafogando o embaraçado tráfego de várias regiões da cidade despreparada para suportar seu peso.

O Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit) confirma a construção da via de acesso entre a ponte em fase final de acabamento, na Praia do Futuro, até o início do Anel Viário, no município de Eusébio. A interligação trará grande desafogo para o trânsito, pois concentrará a movimentação rodoviária originada no Porto do Mucuripe, destinada ao interior do Ceará ou aos demais Estados nordestinos e vice-versa. Só esse fluxo justifica o empreendimento.

A ponte sobre o leito do Rio Cocó, onde ele deságua no Oceano Atlântico, corresponde a uma antiga aspiração, como parte da infraestrutura viária para viabilizar a ocupação ordenada nos dez quilômetros dessa faixa litorânea. O leste da cidade enfrenta um processo de deterioração pela ausência de tratos urbanos, de responsabilidade do poder público. O projeto original sofreu contestações políticas arrasadoras quando a Prefeitura de Fortaleza, há mais de 10 anos, começou sua construção. Retomadas pelo Dnit, as obras estão na reta final.

Outro empreendimento de magnitude se prenuncia para o entorno de Fortaleza, com investimento de R$ 200 milhões, compreendendo a ampliação e restauração de 32 quilômetros de pistas pavimentadas e sete viadutos. A licitação foi vencida por um consórcio local, destacando-se as obras como de grande porte, financiada pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), beneficiando os municípios de Fortaleza, Caucaia, Maracanaú, Maranguape, Pacatuba, Eusébio e Itaitinga, centros industriais da Região Metropolitana.

O alargamento das pistas viabilizará melhor escoamento do tráfego pesado no Anel Viário, cujo fluxo atual é de 13.885 veículos por dia. A duplicação dos 32 quilômetros de rodovia e a nova pavimentação irão permitir o fluxo de 22.230 veículos por dia, em condições satisfatórias de tráfego e segurança.

As obras, conforme o cronograma constante de sua contratação, deverão estar concluídas em 2012.

O desprestígio político das lideranças cearenses permitiu houvesse um hiato de 25 anos na mobilização de recursos federais para o financiamento de uma obra dessa importância. As rodovias correspondem a um suporte básico na logística de transportes, influenciando nos custos das mercadorias e na sua distribuição em tempo hábil.

O essencial será vencer as barreiras transformadas em rotina para quaisquer obras públicas, resultantes de questionamentos não razoáveis, levantados pela defesa do meio ambiente. A futura ponte sobre o Rio Cocó passou longos anos tendo as suas ferragens afetadas pela maresia da Praia do Futuro, vítima da radicalização desse pretexto.

Link para a matéria original

COMMENTS