TAM lidera atrasos em voos domésticos em janeiro, diz Anac

Embora a companhia conteste os dados apurados pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) garante já ter intensificado a fiscalização sobre a companhia para obrigá-la a sanar o problema

Chávez determina a ministros que negociem pavimentação de estradas na fronteira com Brasil
Parecer sobre desoneração do transporte pode ser votado
Projeto proíbe motorista com menos de um ano de carteira de dirigir em rodovias e estradas

Pelo quarto mês consecutivo, a TAM foi, em janeiro, a empresa aérea que registrou o maior número de atrasos em voos domésticos. Embora a companhia conteste os dados apurados pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) garante já ter intensificado a fiscalização sobre a companhia para obrigá-la a sanar o problema.

Segundo a Anac, em janeiro, 23,9% dos voos da TAM decolaram mais de 30 minutos depois do horário previsto. Além de representar mais que o dobro de atrasos que a segunda colocada, a OceanAir (10,8%), e que sua principal concorrente, a Gol/Varig (13,2%), o percentual também é maior que os registrados pela própria TAM nos últimos três meses.

Uma consulta ao histórico divulgado no site da Anac permite verificar que o percentual de atrasos nos três meses anteriores aumentou mês a mês, subindo de 14,7% do total em outubro para 15,3% em novembro e para 18,3% em dezembro.

Apesar do maior movimento devido às férias e das chuvas que obrigaram o fechamento temporário de alguns dos principais aeroportos do país em mais de uma ocasião, o mau resultado verificado pela TAM em janeiro não encontra paralelo nas operações das demais companhias, já que, segundo a própria Anac, o total de atrasos das companhias aéreas nacionais e estrangeiras ficou estável em relação ao mês de dezembro, baixando de 17,9% em dezembro para 17,8% em janeiro. Companhias como a Azul, a Gol/Varig e a Webjet melhoraram inclusive seus índices de pontualidade no mesmo período.

De acordo com a agência reguladora, como a TAM é a empresa responsável pelo maior número de voos – 25,9 mil das 71,7 mil decolagens realizadas em todo o país durante o mês de janeiro – o crescimento de seus atrasos teve forte impacto para a média nacional.

A Anac garantiu que já está reforçando a fiscalização operacional sobre a companhia para identificar os motivos do crescimento dos atrasos e acompanhar o que a empresa tem feito para solucionar os problemas.

Em nota, a TAM informou que, em janeiro, suas operações tiveram impacto negativo das fortes nevascas nos Estados Unidos e na Europa, fenômenos que prejudicaram pousos e decolagens dos voos da companhia nessas rotas. Consequentemente, os atrasos em voos provenientes desses países afetaram conexões em voos domésticos nos aeroportos Tom Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro, e de Guarulhos, em São Paulo. As fortes chuvas que fecharam alguns dos principais aeroportos brasileiros durante todo o mês também tiveram influência para o mau desempenho.

Para a empresa, os critérios usados na elaboração da tabela de pontualidade divulgada pela Anac e apurada pela Infraero resultam em distorções e precisam ser revisados. Entre as distorções, as tabelas contabilizavam como sendo da companhia atrasos ocorridos em operações de empresas parceiras, inclusive em aeroportos onde a TAM nem mesmo opera. Incluíam também traslados, quando uma aeronave segue sem passageiros para o Centro de Manutenção da empresa.

A TAM também se queixa de que a Anac não separa os voos domésticos dos internacionais. Assim, sustenta a companhia, quando condições climáticas adversas interferem na pontualidade de voos nos Estados Unidos e na Europa, como ocorreu no fim de 2009 e em janeiro de 2010, somente a TAM – única empresa nacional a oferecer esses destinos – foi afetada.

Link para a matéria original

COMMENTS