STJ impede que Anac redistribua slots da Pantanal até julgamento de recurso

Ao julgar o recurso apresentado pela Pantanal contra o processo de redistribuição dos slots, Asfor Rocha determinou que a Anac se abstenha temporariamente de distribuir os horários da Pantanal

Polícia Federal faz manifestação no aeroporto de Congonhas (SP)
Passageiros aéreos devem ficar atentos ao fim do horário de verão
Azul comemora a marca de 15 milhões e presenteia cliente

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) não poderá redistribuir 61 dos slots (horários de pousos e decolagens) que a empresa aérea Pantanal detém no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo.

A decisão foi tomada ontem (2) pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Cesar Asfor Rocha, e vale até que o Tribunal julgue o recurso apresentado pela companhia, que não aceita perder os 61 movimentos no segundo aeroporto de maior movimento no país.

Ao julgar o recurso apresentado pela Pantanal contra o processo de redistribuição dos slots, Asfor Rocha determinou que a Anac se abstenha temporariamente de distribuir os horários da Pantanal. Assim, se quiser, a agência poderá realizar a partilha de mais 294 autorizações entre as seis empresas habilitadas a participar da redistribuição que deveria ter ocorrido ontem (1º), mas que a própria Anac adiou para amanhã (3).

As companhias aéreas aptas a participar da partilha são a Gol/Varig (que pertencem ao mesmo grupo), OceanAir, TAM, Azul, NHT e Webjet. As três primeiras já operam em Congonhas. De acordo com a Anac, como desde o auge da crise aérea os pousos e decolagens comerciais foram limitados a 30 movimentos/hora e todos os horários já estão ocupados, a entrada de novas concorrentes só pode ocorrer com a redistribuição dos slots, o que só é feito em casos de descumprimento da legislação, que impõem uma regularidade mínima de 80% dos voos.

A Anac afirma ainda que a redistribuição é uma forma de aumentar a concorrência entre as empresas, já que com a iniciativa serão ampliadas as opções de rotas e horários de voos e também o número de empresas presentes no aeroporto.

No c aso da Pantanal – que recentemente foi comprada pela TAM -, o direito dos usuários de Congonhas ficará melhor preservado com a alienação dos slots à TAM. Para a empresa, não há subaproveitamento dos espaços para pousos e decolagens nem o risco de aumento do preço de passagens.

Ao atender o pedido da Pantanal, o presidente do STJ requisitou que a Anac se manifeste sobre o tema. Somente depois que a agência reguladora apresentar seus argumentos.

Link para a matéria original

COMMENTS