Em abril, mais 30 radares (PR)

Equipamentos serão trocados e fiscalizarão, além da velocidade, avanço de sinal, parada sobre a faixa e conversão proibida. Veja onde eles vão ficar

Cresce mercado de condomínios para as empresas
Fiscalização de carga pode ser feita em dois postos no Acre
Conab leiloa 50 mil toneladas de arroz

Os atuais radares eletrônicos (pardais) de Curitiba, que voltaram a operar ontem, já têm data para sair de cena: a partir de 1.º de abril. Com a entrada em vigor do novo contrato entre a Urbanização de Curitiba (Urbs), que gerencia o trânsito em Curitiba, e a Consilux, empresa que opera os equipamentos há 12 anos, os pardais começarão a ser substituídos.

Dos atuais pontos de radar, cerca de 30 deverão receber os novos equipamentos. Na maioria das vias, a localização dos pardais deverá sofrer pequenas alterações. O número de equipamentos aumentou: agora, serão 140 radares, 30 a mais que os atuais. Metade deles continuará flagrando apenas os veículos que excederem a velocidade máxima permitida além da margem de tolerância. Outros 70 registrarão ainda outras infrações: avanço de sinal, parada sobre a faixa e conversão proibida. Confira os endereços dos novos pardais no quadro ao lado.
Balanço

A Urbs promete divulgar entre amanhã e quinta-feira o balanço dos primeiros dias de reativação dos pardais na capital. Desa­­tivados por 60 dias, os equipamentos voltaram a capturar as placas dos veículos flagrados por excesso de velocidade desde a zero hora de ontem.

Durante o período em que os pardais deixaram de apontar os infratores, os sensores posicionados no asfalto continuaram funcionando, registrando a passagem dos veículos que excediam a velocidade máxima permitida além da margem de tolerância. De acordo com a Urbs, os sensores flagraram nesses dois meses uma média diária de 4,5 mil infrações por excesso de velocidade. Com o funcionamento pleno dos radares, o número de infrações variava entre 1,2 mil e 1,6 mil por dia.

A decisão judicial que determinou a volta dos pardais foi proferida na quarta-feira da semana passada pelo vice-presidente do Tribunal de Justiça (TJ) do Paraná, Ruy Fernando de Oliveira. Os equipamentos estavam fora de operação desde o dia 3 de dezembro, por decisão da desembargadora Regina Afonso Portes, da 4.ª Câmara Cível do TJ, em ação judicial movida pelo Ministério Público. No processo, a Promotoria de Justiça de Proteção do Patrimônio Público questionou a prorrogação do contrato entre a Urbs e a Consilux. Por lei, o período máximo de um contrato licitado, incluindo os termos aditivos de prorrogação, é de 60 meses, prazo que venceu em abril do ano passado.

A Consilux opera o sistema de fiscalização eletrônica da capital desde 1998. Em 2004, venceu mais uma licitação. Agora, foi novamente a vencedora da concorrência pública para operar o sistema.

Confira a lista de onde serão instalados os 140 novos radares

Link para a matéria original

COMMENTS