600 Milhões: BR-364 será totalmente reformada

Rodovia será totalmente recapeada, inclusive com a construção de 3ª via. Obra vai custar R$ 600 milhões

TCE vê irregularidade em contrato Metrô-Alstom
Inflação do carro cresce 5,6% em 2008
Todos querem prorrogar o IPI reduzido

Mais um sonho rondoniense começa agora a ser transformado em realidade pelo DNIT: a BR-364 será totalmente reformada, desde a divisa com o Mato Grosso até o município de Candeias do Jamari, onde começa o trecho duplicado. A rodovia, que tem quase 30 anos – ela foi inaugurada ainda no governo Figueiredo -, será finalmente adequada para suportar o grande volume de carga pesada que por ela trafega, e vai inclusive contar com terceira pista nos pontos mais críticos, como forma de assegurar melhor trafegabilidade e maior segurança.

O projeto será apresentado ao público pelo DNIT em audiência pública programada para o dia 12 de fevereiro, às dez da manhã, no auditório da Superintendência em Porto Velho, à rua Benjamin Constant, 1015, bairro Olaria. Estão sendo convidados para o evento empresários, autoridade e público de forma geral. Segundo o superintendente do órgão, José Ribamar da Cruz Oliveira, o trabalho é resultado de um grande esforço da diretoria do DNIT, com o apoio de toda a bancada federal rondoniense.

Para Ribamar Oliveira, a dimensão da obra pode ser avaliada por seu custo estimado: R$ 600 milhões. O trecho será dividido em quatro lotes e as empresas vencedoras da licitação começarão a trabalhar simultaneamente. Ele explicou que o projeto Crema – 2ª Etapa – programa ao qual está vinculada a obra –  significa finalmente uma solução para o problema da BR-364, já que através dele será possível revitalizar a rodovia, eliminando de uma forma mais definitiva os diversos defeitos estruturais e de superfície. Vários pontos com incorreção no traçado poderão ser agora corrigidos para que sejam oferecidas melhores condições de segurança aos usuários.

O Superintendente do DNIT disse que Rondônia vive um momento único em sua história: nunca se registrou aqui um alinhamento tão positivo de forças políticas com tamanha capacidade de implementar as obras estruturantes das quais o estado tanto necessita para alavancar seu desenvolvimento.

Oliveira afirma que tudo isso é resultado da vontade política do presidente Lula, determinado a fazer cumprir os compromissos assumidos com a região e com os demais países da América Latina. Outros fatores favoráveis foram a sensibilidade da ministra Dilma Roussef, que permitiu a inclusão, no PAC, dos projetos rondonienses, e a determinação do ministro dos transportes, Alfredo Nascimento, profundo conhecedor da região e de suas necessidades.

Tudo isso, claro, encontrou respaldo na posição favorável do diretor-geral do DNIT, Luiz Antônio Pagot, também conhecedor da região. E na absoluta convergência da nossa bancada federal. Nada, porém, seria possível não fosse a atuação do diretor de Planejamento e Pesquisa do DNIT, Miguel de Souza, que soube, como ninguém, orientar essa verdadeira conjuminância de forças, planejar os investimentos e apresentar os projetos no tempo certo, além de superar dificuldades aparentemente incontornáveis junto ao IBAMA e o TCU.

Link para a matéria original

COMMENTS