Metade das cargas movimentadas no Porto de Paranaguá é de granéis sólidos

Cerca de 47% do volume de cargas movimentadas em Paranaguá correspondem às exportações de granéis sólidos

Gol tem prejuízo de R$ 216,77 milhões no 2º trimestre
Funcionários dos Correios protestam contra projeto que revê monopólio do serviço postal
Aeroporto de Cabo Frio começa a receber vôos de carga semanais dos Estados Unidos

A diversificação de cargas movimentadas no Porto de Paranaguá trouxe ganhos importantes em termos de receita cambial, nos últimos sete anos, mas a infraestrutura logística para o embarque de granéis e a proximidade dos grandes centros produtores do agronegócio fazem do complexo paranaense um dos maiores corredores de exportação da produção agrícola nacional.

Cerca de 47% do volume de cargas movimentadas em Paranaguá correspondem às exportações de granéis sólidos. Este ano, foi embarcado perto de 13,7 milhões de toneladas, no acumulado de janeiro a novembro.

Uma das melhorias realizadas pela Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), nos últimos anos, que contribuiu para incrementar a movimentação de granéis, foi a reformulação do sistema de recepção e embarque de cargas, implantado em 2006. Isso permitiu que o fluxo de caminhões que chegam ao Porto de Paranaguá seja regulado conforme a programação dos navios, eliminando as filas.

Os reflexos dessas melhorias vêm sendo observados nas estatísticas de movimentação. Nos embarques realizados entre janeiro e novembro deste ano, as maiores altas foram registradas no açúcar e soja: 22,97% e 17,29%, respectivamente. Foram exportadas pelo Porto de Paranaguá 2,9 milhões de toneladas de açúcar a granel e mais de 4,7 milhões de toneladas de soja.

Empresas que operam com soja no Porto de Paranaguá estimam um aumento de 30% nos embarques da safra 2009/2010. Isso porque a expectativa é de que com o restabelecimento dos 12,5 metros para navegação no Canal da Galheta – que dá acesso aos portos do Paraná – os fretes marítimos tenham bonificações mais vantajosas em relação a Santos.

Para estipular os descontos, os armadores (donos dos navios) levam em consideração, entre outros fatores, as facilidades que o porto oferece em termos de infraestrutura e logística, além das condições de navegabilidade.

COMMENTS