Ministro descarta problemas no transporte aéreo brasileiro durante a Copa de 2014

Segundo Nelson Jobim, o crescimento esperado elevará o movimento de 26 para 28 milhões de passageiros apenas durante os dois meses nos 16 aeroportos que serão usados nos locais da competição

ANAC modifica procedimentos para documentação de aeronaves e vistorias técnicas
Libra prevê investir R$ 1 bi em terminais em 5 anos
Previ vende operação do Porto de Antonina

A Copa do Mundo de 2014 vai representar apenas um “soluço” no aumento de passageiros dos voos comerciais no Brasil, com 10,3% a mais num período de dois meses (junho e julho de 2014), o que significa pouco mais de 2 milhões de viajantes, o que não causará grandes problemas ao tráfego aéreo do país.

A avaliação foi feita pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, durante exposição sobre as ações do governo para preparar os aeroportos das 12 cidades-sede do Mundial, na Comissão da Amazônia da Câmara dos Deputados. Segundo ele, o crescimento esperado elevará o movimento de 26 para 28 milhões de passageiros apenas durante os dois meses nos 16 aeroportos que serão usados nos locais da competição.

“Os estados podem ter preocupações . Outra coisa são preocupações reais. Tudo isso está gerido pela Infraero para não ter problema. Há uma super dimensão em relação à Copa, mas ela será apenas um soluço no tráfego aéreo brasileiro”, disse o ministro, durante sua exposição aos membros da Comissão da Amazônia.

Sobre os recursos para adequação dos aeroportos às exigências da Copa de 2014, Jobim disse que já está tudo previsto nas leis orçamentárias. “Parte deles são investimentos do PAC [Programa de Aceleração do Crescimento]. Portanto, são verbas mais ou menos carimbadas para o futuro. Vai depender também dos novos governos. Em 2011, vamos ter um novo governo. Mas o tipo de receita necessária está previsto.”

Quanto à criação da Autoridade Portuária, que ele anunciou durante a audiência pública na Comissão da Amazônia, o ministro da Defesa disse que já terminou a redação do texto e vai enviá-lo à Casa Civil ainda esta semana, mas, provavelmente, ele só será examinado pela Presidência da República em janeiro.

Essa medida (um decreto presidencial) vai criar, segundo Jobim, um novo gestor nos aeroportos . Ele terá, de acordo com o ministro, “autoridade gerencial para que possa gerenciar o uso dos espaços que existem nos aeroportos”, mas não de mando nos servidores da Polícia Federal, da Receita, da Infraero e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Sobre a vantagem dessa nova figura na administração aeroportuária, Jobim disse que ela “vai ter autoridade para disciplinar todo o funcionamento do aeroporto, conforme a necessidade de cada um”.

Link para a matéria original

COMMENTS