Verba é insuficiente para demanda

Investimento previsto pela Infraero, de R$ 70 milhões, não resolveria problemas atuais do Afonso Pena, dizem especialistas

Digex Aircraft Maintenance fica em 1º no ranking de eficiência logística da Infraero
Bombeiros do Aeroporto de Congonhas (SP) recebem curso de capacitação
Passaredo disponibiliza aeronave para simulação de evacuação de emergência em acidente

A execução completa do plano de investimento da Infraero para a modernização do aeroporto Afonso Pena visando a Copa do Mundo de 2014 corre o risco de nem sequer suprir o crescimento da demanda previsto para o ano que vem. Especialistas em aviação avaliam que os R$ 70 milhões destinados à modernização e ampliação do pátio e do terminal de passageiros seriam insuficientes até mesmo para atender as atuais necessidades do aeroporto.

O terminal, projetado para atender 3,5 milhões de passageiros ao ano, opera atualmente acima de sua capacidade e deve fechar 2009 com trânsito de 4,9 milhões de pessoas. Para 2010, a estimativa é de um crescimento de 8%, quando o aeroporto deve receber 5,2 milhões de passageiros.

“Tudo isso que estão falando que vão começar a fazer agora já deveria estar pronto hoje. Com o histórico da Infraero, fica impossível acreditar que as obras serão concluídas (a tempo)”, afirma o presidente do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea), José Márcio Mollo.
A entidade, que reúne 26 associados – sendo 15 empresas na­­cio­nais e 11 estrangeiras –, deve divulgar em 20 dias um estudo técnico que vai detalhar o problema no pátio de estacionamento das aeronaves, que impede os aviões que pousam no Afonso Pena de pernoitarem em Curitiba.

Atualmente o aeroporto possui 14 posições para aeronaves de médio porte. O investimento previsto pela Infraero deve criar 5 novas posições – sendo 3 com rampas de embarque e desembarque. “Para o movimento atual seriam necessárias, no mínimo, 20 posições. Hoje, nos horários de pico, algumas aeronaves precisam permanecer em órbita por mais tempo para dar espaço às outras”, afirma o professor de mercadologia e gestão de empresa aérea da Faculdade de Ciências Aeronáu­ticas da Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Mauro Martins.

Terceira pista

Outra crítica ao plano de investimento da Infraero é a ausência do projeto para a construção da terceira pista para pousos e decolagens. Sozinha, a obra demandaria R$ 300 milhões. “O plano apresentado é insuficiente, além de não atingir o interesse do Paraná. Devemos pensar no imediato – a Copa do Mundo – mas também no futuro e no desenvolvimento do estado”, diz o coordenador do grupo de trabalho que reúne entidades interessadas na contrução da terceira pista do aeroporto, Valmor Weiss.

Veja matéria original

COMMENTS