Pesquisa Rodoviária CNT confirma rodovias paulistas no topo da malha viária brasileira

Segundo levantamento realizado pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT), estado de São Paulo concentra 15 das 16 rodovias classificadas como "ótimas". Todos os trechos estão no plano de concessões rodoviárias do Estado

Setor de transportes desaquece e registra pior resultado desde 1996
Empresário Roberto Mira recebe honraria da CNT
CNT inaugura escritório na China

rodovias-paulistas-cnt

De acordo com a Confederação Nacional dos Transportes (CNT), as dez melhores estradas brasileiras estão em São Paulo. Todas fazem parte do Programa de Concessões Rodoviárias do Governo do Estado de São Paulo, que investirá R$ 20,4 bilhões após as duas etapas do projeto. O levantamento da CNT também diz que, das 16 rodovias classificadas como ‘ótimas’, 15 são paulistas. Tal desempenho é resultado das concessões rodoviárias.

Na primeira etapa do Programa, que teve início em 1998, já foram investidos R$ 10,4 bilhões na ampliação, manutenção e operação dos 3,5 mil quilômetros de estradas. A segunda etapa, iniciada em 2009, já recebeu investimento de R$ 700 milhões, dos R$ 7,5 bilhões previstos. Ao todo, serão aplicados R$ 20,4 bilhões.

Levantamento da CNT

No topo do ranking da CNT está o Corredor Ayrton Senna/Carvalho Pinto, concedido em junho deste ano, seguido da ligação São Paulo – Limeira (Rodovias dos Bandeirantes e Washington Luis) e do Sistema Anchieta – Imigrantes. O Estado de São Paulo tem um total de 35 mil quilômetros de estradas pavimentadas – 22 mil estaduais, 1.050 federais e quase 12 mil de estradas vicinais. Do total de vias sob a responsabilidade do Estado (34 mil km), 5,6 mil quilômetros (16%) estão sob a responsabilidade das concessionárias.

Para efeito de comparação, o trecho São Paulo – Belo Horizonte é feito pela BR 381 – rodovia não concedida. A estrada aparece em 22º lugar no ranking da CNT, avaliada como “Boa”. Já o trecho entre São Paulo e Campinas – feito pela Rodovia dos Bandeirantes (SP 348) – está na 2ª posição do ranking, avaliado como “ótimo”.

Por: Bruno Martins – Redação Portal Transporta Brasil

COMMENTS