Mato Grosso terá 221 radares de monitoramento

Equipamentos estão sendo licitados pelo Dnit e Estado é o segundo maior contemplado. Trechos da Grande Cuiabá também entram na lista de necessidades

Detran investe em campanhas educativas para conscientizar motociclistas
Comissão de Transportes aprova câmeras em trecho urbano de rodovia
Iceport entra em operação com primeira carga

Impulsionado pelo agronegócio, o atual e intenso tráfico de veículos pelas estradas mato-grossenses deve ficar mais ordenado e seguro a partir do ano que vem. E não só nas áreas rurais. Cinco rodovias federais do Estado serão contempladas com 221 novos equipamentos de sinalização que o Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit) está licitando para todo o Brasil. Somente a BR-364, que liga Cuiabá ao sul do Estado, receberá 75 radares urbanos.

Entre os equipamentos, estão barreiras (lombadas) eletrônicas, radares fixos e controladores de avanço de sinal vermelho e parada sobre faixa de pedestres. As intervenções do Dnit estão marcadas para começar no ano que vem e ser concluídas em até cinco anos, tendo Mato Grosso como o segundo estado mais equipado – Minas Gerais receberá 421 aparelhos. Além disso, o cronograma das instalações contempla, num primeiro momento, rodovias de Mato Grosso.

Boa parte das intervenções na BR-364 será em zona urbana (quando passa a ser avenida Fernando Corrêa) ou no contorno da Grande Cuiabá. O Dnit aponta algumas regiões onde elas devem ocorrer.

Na área urbana, serão instalados equipamentos para controlar velocidade, eventuais avanços de sinal vermelho e paradas sobre faixas de pedestres, principalmente na região de saída para Rondonópolis, a 212 quilômetros de Cuiabá (veja quadro). Fora da Grande Cuiabá, haverá 17 equipamentos com a mesma finalidade em Barra do Garças (a 509 quilômetros), monitorando o tráfico movimentado da divisa com Goiás.

Com estes, a soma de equipamentos para controle de avanço é de 92. Mato Grosso também deve receber em suas estradas federais equipamentos como 61 barreiras eletrônicas e 68 radares fixos, melhorias bem-vindas, segundo o núcleo de comunicação da Polícia Rodoviária Federal (PRF), para todo o Estado, sem distinção de regiões. O comandante da Regional I da Polícia Militar, coronel Joelson Sampaio, também aponta como positiva a interferência em pontos como Fernando Corrêa e Miguel Sutil, as avenidas mais problemáticas da Grande Cuiabá, além da FEB.

Entre os motoristas, já vem tarde a sinalização das rodovias federais em Mato Grosso. O caminhoneiro Moisés Antônio do Couto, 41 anos, aponta que as estradas aqui pecam tanto em sinalização que chegam ao cúmulo de não ter nem faixas visíveis durante a noite, nem nada que controle a velocidade dos que passam. Já o também caminhoneiro Alcenor Tillvitz, 54, diz que Mato Grosso está muito atrás dos demais estados no país em estrutura viária. Isso porque não há controle de velocidade, e aí os acidentes são quase inevitáveis. Um dos piores trechos do país, comenta, é entre Cuiabá e Rondonópolis. (Renê Dióz-Diário de Cuiabá)

Veja matéria original

COMMENTS