Com redução de preços, economia passa de 67%

Comprando com o valor de bomba que vigorava antes da queda ao consumidor, R$ 1,89, o recuo é de 21,16%

Fatec de Lins/SP terá curso de logística no segundo semestre de 2009
Governo paulista anuncia investimento de R$ 3,9 bilhões na recuperação de estradas vicinais
Combustível renovável para jatos

Com a queda dos preços do Gás Natural Veicular (GNV) para R$ 1,49 na Grande Cuiabá – o terceiro menor do país – abastecer com gás passou a ser ainda mais vantajoso para os proprietários de carros convertidos. Comprando com o valor de bomba que vigorava antes da queda ao consumidor, R$ 1,89, o recuo é de 21,16%.

“Coloquei o kit gás há mais de três anos e estou satisfeito, nunca pensei em retirar o equipamento do carro”, afirma o engenheiro João Pedro Dias da Silva, residente no Jardim Petrópolis. Dono de um Vectra ano 2004, ele consegue uma economia de 67% em relação à gasolina e de 37% em relação ao álcool na rodovia.

João Pedro conta que com um litro de álcool percorreria no máximo 7 quilômetros dentro da cidade. Num percurso de 200 quilômetros, o carro consumiria 28,57 litros de álcool. Ao custo de R$ 1,25/litro, o gasto com combustível seria de R$ 35,71. Utilizando o GNV, o carro consumiria 13 metros cúbicos (m³) para fazer o mesmo percurso – R$ 19,37 – (54,24% do valor do desembolso com álcool), economia de 45,76%, ou R$ 16,34. Na rodovia, a economia com GNV é ainda maior, pois a autonomia do carro a gás aumenta, em média, 20%.

Quando a comparação do GNV é feita com a gasolina, o custo-benefício do gás natural salta para 67%. Ou seja: o mesmo carro gastará, em média, 20 litros para percorrer os 200 quilômetros, no valor de R$ 53, contra R$ 17,52 do GNV. Nesta simulação, a economia do carro a gás é de R$ 35,48 (ou 67% em relação à gasolina), o equivalente a 23,81 m³ de GNV que seriam suficientes para percorrer pelo menos mais 400 quilômetros, considerando a autonomia do GNV na rodovia de 17 Km por m³. “É fantástico, não imagino meu carro rodando com outro combustível que não seja o gás”, afirma João Pedro.

O carro do taxista Carlos Henrique Magalhães, do Jardim Colorado, é um Gol flex convertido a GNV. Mas garante: “Mesmo com o preço do álcool a R$ 1,25, a vantagem ainda é abastecer com gás”. Segundo ele, apesar de aparentemente estar mais caro, compensa mais abastecer com GNV por causa da autonomia que é bem maior.

O aumento dos preços do álcool hidratado e a redução sobre os preços do GNV tornou esta vantagem mais clara para quem tem carro a gás. Vendido ao preço de R$ 1,69/metro cúbico – valor em adoção por alguns postos antes do anúncio da MT Gás -, o gás é mais competitivo para os proprietários de carros convertidos a GNV.

“É bem mais econômico, não é nem preciso fazer as contas”, afirma o motorista Pedro Henrique, proprietário de um Palio Weekend 2007. “Fiz a conversão do meu carro para GNV em 2007 e percebo que o gás oferece vantagens comparativas em relação a qualquer outro tipo de combustível”, conta ele. (MM)

Veja matéria original

COMMENTS