Briga extrapesada

Marca alemã trará ao país veículos de alta tecnologia

Usinas de cana podem ser adaptadas para produzir etanol a partir da mandioca
Preço da gasolina no país não será reduzido, diz Gabrielli
BNDES financiará R$ 12 bilhões para compra de máquinas e bens de capital

Para brigar pela liderança das vendas de caminhões extrapesados, a Man pretende trazer para o Brasil todas as novidades possíveis desenvolvidas em Munique, na Alemanha, sede do grupo que completou 250 anos e que comprou a Volkswagen Caminhões e Ônibus no final do ano passado. Mecânica de alto nível, conforto e tecnologia estão na lista de prioridades.

Ao pagar 1,175 bilhão de euros, a Man passou a liderar seis das sete categorias de caminhões vendidas no Brasil. Só perde na linha dos extrapesados, de mais de 45 toneladas, para transporte de grandes cargas em longa distância. Por isso, a decisão de ingressar neste segmento com a marca Man dentro de dois anos, como adiantou o presidente da Man América Latina, Antonio Roberto Cortes, em entrevista com jornalistas latinos realizada em Munique, na semana passada. A marca comprada à Volkswagen continuará a existir nas linhas onde é líder.

Durante o evento, a empresa apresentou modelos das duas linhas que serão fabricadas no Brasil: a TGX e a TGS. Os veículos impressionam pela maciez e pelo espaço interno, além da tecnologia embarcada – itens opcionais na Europa e que não contam com a certeza de que estarão disponíveis no mercado brasileiro. O TGX 18.680, por exemplo, o mais potente da linha, com motor de oito cilindros em V de 680 cavalos, não dá socos no motorista apesar da potência. Com suspensão bem regulada nos bancos e em toda a cabina, o cavalo testado pela reportagem desliza suavemente mesmo em arrancadas e freadas mais bruscas, proporcionando uma experiência de direção muito próxima a de uma carro de passeio – o que deve agradar aos caminhoneiros de longa distância preocupados com a trepidação das estradas brasileiras. Dentro da boleia, o motor também é silencioso e o motorista nem lembra que está logo acima de uma máquina de 680 cavalos.

A cabina, embora não tenha luxo (é feita com plástico injetado, uma técnica bem ao gosto de quem está acostumado com os veículos da Volkswagen no Brasil), tem toda a sorte de porta-trecos, e uma pessoa de 1,90m consegue ficar de pé dentro dela sem esforço. Segundo Cortes, as linhas da Man no Brasil vão manter a filosofia da empresa, de oferecer um eficiente conjunto de custo e benefício: “menos você não quer, mais você não precisa”. O computador de bordo tem a opção de GPS integrado e fornece até a pressão de cada um dos pneus, separadamente, projeções de consumo e outras funções que, segundo a empresa, ainda são inéditas no mercado brasileiro. (ALEXANDRE DE SANTI-Zero Hora)

Veja matéria original

COMMENTS