Trecho de 88km da BR-349 será recuperado na Bahia

Responsável pela restauração e manutenção das estradas brasileiras, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) diz que a restauração, realizada entre os quilômetros 766 e 854, deve ser executada durante dois anos

Postos de combustível na Bahia são alvo de ‘pente fino’ da ANP
Braspress inaugura mais uma filial na Bahia
Lula inaugura no sul da Bahia primeira etapa da Ferrovia Oeste-Leste

Intransitável há quase uma década, o trecho de 88 quilômetros da BR-349, que liga os municípios de Santa Maria da Vitória a Bom Jesus da Lapa, no oeste da Bahia, finalmente vai começar a ser recuperado. A previsão é que as obras comecem hoje. Responsável pela restauração e manutenção das estradas brasileiras, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) diz que a restauração, realizada entre os quilômetros 766 e 854, deve ser executada durante dois anos e custará R$ 21 milhões somente na primeira etapa. O Correio publicou, no início da semana passada, reportagem sobre as péssimas condições da estrada, repleta de buracos e asfalto quase inexistente.
De acordo com o Dnit, as máquinas e os trabalhadores já estão a postos no local para iniciar as obras, que, neste primeiro momento, compreendem a recuperação e a restauração da BR-349 e, em seguida, a manutenção e a conservação do pavimento. “Além disso, os trabalhos incluem intervenções no pavimento da pista e dos acostamentos, recomposição da sinalização horizontal, manutenção da via e conservação rotineira da faixa de domínio”, divulgou o departamento, em nota.

Uma das explicações para o atraso da recuperação de parte da estrada é que o trecho, construído na década de 1990 pelo Departamento de Estradas de Rodagem da Bahia (DER-BA) e que ficou sob responsabilidade do governo baiano, só foi federalizado em abril deste ano. Prefeito de Bom Jesus da Lapa, Roberto Maia (PMDB) conta que a transferência de responsabilidade só ocorreu depois da conversa que teve com o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), e com o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento. “Há pelo menos quatro anos entro em contato com os governos estadual e federal para cobrar a recuperação da estrada. E ficava sempre o jogo de empurra. Só em fevereiro deste ano, consegui conversar ao mesmo tempo com o governador e o ministro.”

Além das péssimas condições viárias, o trecho entre Santa Maria da Vitória e Bom Jesus da Lapa, utilizado por centenas de brasilienses que têm como destino o litoral, é conhecido por assaltos. A pouca visibilidade, provocada pela poeira resultante do intenso tráfego de caminhões, ônibus e automóveis, e os imensos buracos, que limitam a velocidade em, no máximo, 20km/h, fazem dos veículos, pequenos e de grande porte, presas fáceis para os ladrões.

Precariedade

Apesar do esforço do governo federal para recuperar a malha rodoviária do país, reconhecido por Newton Gibson, vice-presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT) e presidente da Associação Brasileira de Logística e Transporte de Carga (ABTC), as estradas estão em situação de precariedade. “Pelo menos 90% de tudo o que é produzido no país são transportados pelas rodovias. É preciso mudar essa realidade e utilizar os meios marítimos e ferroviários. Uma carga transportada por mais de 800 quilômetros em estradas já não é viável, devido ao alto custo”, observa. (Rodrigo Couto-Correio Braziliense)

Veja matéria original

COMMENTS