Solução para escoamento de ‘pesados’ está paralisada

Do total de 39,7 quilômetros de extensão, dez já foram pavimentados, mas tudo ainda, inacabado

Alitalia anuncia redução dos vôos
Diário Oficial publica norma que trata da comunicação de venda de veículo
Anfavea mantém previsão de vender 3 bi este ano

Apontado como solução para o problema do tráfego pesado em Cuiabá, o rodoanel Contorno Norte-Sul está com as obras da primeira etapa paradas. Do total de 39,7 quilômetros de extensão, dez já foram pavimentados, mas tudo ainda, inacabado.

O rodoanel é fruto de um convênio entre o governo federal e a prefeitura de Cuiabá, que é responsável pelo gerenciamento do contrato. A execução das obras está sob responsabilidade da construtora mato-grossense Conspavi, empreiteira que também tocava os trabalhos do Programa de Aceleração do Crescimento na cidade.

Na semana passada a reportagem percorreu os dois trechos que já receberam massa asfáltica. Ambos, especialmente entre a estrada da Antártica (região do Sucuri) e a rodovia Helder Cândia (da Guia), que têm 5,6 quilômetros, há um expressivo movimento de veículos, especialmente de caminhões.

Um detalhe é que nas proximidades da Antártica existe um pedaço de aproximadamente 100 metros de terra, onde o tráfego dos veículos pesados levanta um “poeirão”. Problema que já causou acidentes graves, segundo o funcionário público Antônio Carlos de Arruda, que mora na região. “O motorista não viu o caminhão por causa da poeira”, comentou. “Se você for ao local às 14 horas vai ver como é grande o movimento de carros nesse horário, na rodovia”, sugeriu.

Situação parecida ocorre no segundo trecho pavimentado, que vai da estrada da Guia até a rodovia Emanuel Pinheiro (que liga a Capital a Chapada dos Guimarães), onde nem mesmo as barreiras de terra conseguiram impedir o tráfego de veículos de passeio.

PROJETO – Da altura da estrada da Antártica, o rodoanel inicia uma trajetória que corta a estrada de acesso ao Distrito da Guia, segue em direção a Emanuel Pinheiro, próximo do quilômetro cinco. Neste local, somente uma placa de lançamento dá sinais de que a avenida terá continuidade em direção a região sul. Sempre em paralelo com o perímetro urbano, mas com todo o asfalto na área rural, a nova pista seguirá a trajetória do rio Coxipó, por onde passará um ponte de concreto com 100 metros de extensão e 12,4 metros de largura.

Do Coxipó, a estrada segue até as BRs 163/364, na altura do restaurante Sinuelo. A nova pista deverá ter mais 12 quilômetros em Várzea Grande. Além disso, ela terá sete metros de largura, duas pistas e acostamentos de 1,5 metro de cada lado.

O secretário municipal de Infra-Estrutura, Josué de Souza, informou que precisa dos projetos de duplicação das avenidas Helder Cândia e Emanuel Pinheiro para que possa dar continuidade às obras do rodoanel. “É necessário para que possamos definir as rotatórias que serão construídas nessas estradas”, esclareceu. Segundo Souza, o projeto foi solicitado ao governo do Estado há dois meses. “Não tenho informação que chegou. Vou verificar e se não chegou, faremos o encaminhamento novamente”, disse.

Souza garantiu que não tinha conhecimento que, mesmo inacabada, a via estava sendo utilizada e que solicitaria a empreiteira responsável para que providenciasse seu isolamento novamente. A expectativa é que o trecho já pavimentado seja concluído até o fim deste ano. Mas, Souza preferiu não determinar um prazo para a conclusão total do rodoanel, que inicialmente estava previsto para 2010. A obra está avaliada em aproximadamente R$ 42 milhões.

A reportagem procurou o Dnit para tratar o assunto, mas não obteve resposta. (JOANICE DE DEUS-Da Reportagem Diário de Cuiabá)

Veja matéria original

COMMENTS