Paulistano deixaria carro em casa se transporte público fosse mais eficiente, mostra pesquisa

A pesquisa, chamada Mobilidade em São Paulo, foi realizada com o apoio do Ibope e sua divulgação antecede em quatro dias o Dia Mundial sem Carro, que ocorre na próxima terça-feira (22)

Comissão investigará aplicação de recursos da Cide-Combustível
Governo regulamenta programa para modernização do transporte público
Safra de trigo deve ser de 5,85 milhões de toneladas, prevê Conab

O paulistano adquiriu mais carros em 2009, mas tem interesse em deixar o veículo em casa e passar a usar o transporte público. A conclusão é de uma pesquisa divulgada hoje (18) pelo Movimento Nossa São Paulo. A pesquisa, chamada Mobilidade em São Paulo, foi realizada com o apoio do Ibope e sua divulgação antecede em quatro dias o Dia Mundial sem Carro, que ocorre na próxima terça-feira (22).

Segundo a pesquisa, 50% dos entrevistados (um total de 805 pessoas) afirmam ter um ou mais veículos em casa, número 13% maior do que o do ano passado. Desse total, 29% usam os veículos diariamente.

Apesar de ter crescido o número de paulistanos com carro, também cresceu o número de pessoas (78% do total de entrevistados) que afirmam que deixariam o carro em casa para utilizar o transporte público, caso houvesse uma boa alternativa de transporte.

Cerca de 71% dos entrevistados também reclamaram do trânsito na cidade, considerando-o ruim (24% do total) ou péssimo (47%). Segundo a pesquisa, o paulistano gasta, em média, 2 horas e 43 minutos para se deslocar pela cidade diariamente.

O trânsito, segundo a pesquisa, é uma das áreas mais problemáticas da cidade (38%), só perdendo para saúde (65%) e educação (41%), na opinião dos entrevistados. O problema com a segurança pública aparece em seguida, na opinião de 29% das pessoas que responderam à pesquisa.

Cerca de dois terços dos entrevistados preferem que os investimentos públicos nos próximos anos sejam direcionados para o transporte coletivo. A sugestões apontadas foram: construção e ampliação das linhas de metrô e trem (solução apontada por 61% das pessoas) e ampliação dos corredores de ônibus (45%). (Elaine Patricia Cruz-Repórter da Agência Brasil)

Veja matéria original

COMMENTS