Paulistano deixaria carro em casa se transporte público fosse mais eficiente, mostra pesquisa

A pesquisa, chamada Mobilidade em São Paulo, foi realizada com o apoio do Ibope e sua divulgação antecede em quatro dias o Dia Mundial sem Carro, que ocorre na próxima terça-feira (22)

Contribuintes poderão parcelar débito do IPVA em São Paulo
Novo terminal de Cruzeiro do Sul (AC) está em fase de finalização
Exportações de veículos pelo Porto de Paranaguá cresceram 59,7% em agosto

O paulistano adquiriu mais carros em 2009, mas tem interesse em deixar o veículo em casa e passar a usar o transporte público. A conclusão é de uma pesquisa divulgada hoje (18) pelo Movimento Nossa São Paulo. A pesquisa, chamada Mobilidade em São Paulo, foi realizada com o apoio do Ibope e sua divulgação antecede em quatro dias o Dia Mundial sem Carro, que ocorre na próxima terça-feira (22).

Segundo a pesquisa, 50% dos entrevistados (um total de 805 pessoas) afirmam ter um ou mais veículos em casa, número 13% maior do que o do ano passado. Desse total, 29% usam os veículos diariamente.

Apesar de ter crescido o número de paulistanos com carro, também cresceu o número de pessoas (78% do total de entrevistados) que afirmam que deixariam o carro em casa para utilizar o transporte público, caso houvesse uma boa alternativa de transporte.

Cerca de 71% dos entrevistados também reclamaram do trânsito na cidade, considerando-o ruim (24% do total) ou péssimo (47%). Segundo a pesquisa, o paulistano gasta, em média, 2 horas e 43 minutos para se deslocar pela cidade diariamente.

O trânsito, segundo a pesquisa, é uma das áreas mais problemáticas da cidade (38%), só perdendo para saúde (65%) e educação (41%), na opinião dos entrevistados. O problema com a segurança pública aparece em seguida, na opinião de 29% das pessoas que responderam à pesquisa.

Cerca de dois terços dos entrevistados preferem que os investimentos públicos nos próximos anos sejam direcionados para o transporte coletivo. A sugestões apontadas foram: construção e ampliação das linhas de metrô e trem (solução apontada por 61% das pessoas) e ampliação dos corredores de ônibus (45%). (Elaine Patricia Cruz-Repórter da Agência Brasil)

Veja matéria original

COMMENTS