Joinville perde 40% dos voos

Operações noturnas são suspensas devido à presença de árvores

MT fecha fronteiras
Portos terão novo plano para 20 anos, afirma ministro
Legalizado: Serviço de motoboys em Rondônia é aprovado pela Assembleia

A novela das árvores no aeroporto de Joinville chegou ao capítulo mais temido: o encurtamento da pista de 1.640 metros para 1.070 metros, o que resultou no cancelamento de 40% dos voos.

Ontem, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) enviou à Infraero uma determinação restringindo a operação no terminal aéreo da mais populosa cidade catarinense. A medida vai afetar principalmente as operações noturnas e com chuva.

TAM e Gol imediatamente suspenderam quatro voos com partida ou chegada na cidade. À tarde, as empresas anunciaram que os voos noturnos estava suspensos.

A TAM informou, por meio de nota, que os voos com saída de Congonhas e pouso às 19h46min em Joinville e saída às 21h23min de Joinville para Congonhas ficarão suspensos até 21 de março.

A Gol informou que vai suspender, hoje, o voo que sai de Congonhas para Joinville às 17h05 min e parte de Joinville para Congonhas, às 18h35min. A empresa não informou que procedimento adotará no resto desta semana.

O encurtamento da pista já era uma “morte anunciada” há pelo menos nove meses e meio. Desde o começo do ano, o superintendente do aeroporto de Joinville, Sérgio Ribeiro, alertava para esse risco.

O processo para resolver o problema começou em abril, quando foi protocolado na Fatma pedido para o corte da árvores. Dois meses depois, Fatma e Fundema não se entenderam sobre a notificação dos donos dos terrenos. Em agosto, outro impasse: nenhuma das 18 empresas inscritas no edital preecheu os requisitos. No dia 12 de setembro, são anunciadas mudanças no edital para facilitar a contratação da empresa. Mas já era tarde demais.

Veja matéria original

COMMENTS