Greve dos Correios já atrasou entrega de 34,6 milhões de cartas e 339 mil encomendas

De acordo com a estatal, as agências funcionam normalmente, no entanto, com suspensão dos serviços de entrega rápida – Sedex 10, Sedex Hoje, Sedex Mundi e Disque Coleta

Escoamento da safra preocupa
Minc defende vistoria obrigatória de veículos para reduzir poluição
Novas regras de trânsito estão em vigor

Funcionários dos Correios em 20 estados do país, em greve desde a semana passada, fazem hoje (21) passeatas e assembleias regionais para decidir se continuam parados.

Segundo os Correios, 24% dos 109 mil empregados mantêm a adesão à greve. Até a última sexta-feira (18), esse total era de 31%, mas o efetivo parado diminuiu com a volta ao trabalho dos funcionários do Rio de Janeiro.

Também decidiram encerrar a greve os sindicatos dos trabalhadores dos Correios na Bahia, no Rio Grande do Norte, em Santa Maria (RS), Ribeirão Preto (SP) e Bauru (SP) .

De acordo com a estatal, as agências funcionam normalmente, no entanto, com suspensão dos serviços de entrega rápida – Sedex 10, Sedex Hoje, Sedex Mundi e Disque Coleta. O serviço de Sedex tradicional não foi paralisado, mas, segundo a empresa, não há garantia do prazo das entregas.

A estatal informou que já foi registrado o atraso no envio de 34,6 milhões de correspondências, além de 339 mil encomendas.

A categoria exige a incorporação de R$ 300 ao piso de R$ 650 e reajuste salarial de 41%. Defende também mais contratações de carteiros e uma reestruturação da empresa. A proposta do governo é de reajuste salarial de 9%, além de outros benefícios.

“Os Correios é a estatal que oferece o menor salário. Além disso, a empresa tem mais de 15 mil cargos de confiança que recebem até R$ 27 mil. Só essa gratificação de chefia consome 30% de nossa folha de pagamento”, disse o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Telégrafos no Distrito Federal, Moysés Leme da Silva Neto.

Na última sexta-feira (18), a empresa entrou com um processo de dissídio coletivo no Tribunal Superior do Trabalho (TST), alegando que a greve dos funcionários é abusiva.

Veja matéria original

COMMENTS