Curitiba vai guinchar carros

Remoção de carros estacionados em local irregular vale a partir de hoje, mas Diretran pretende fazer orientação antes

Viracopos vê alta de 243% apenas no mês de agosto
Randon implementa nova etapa de governança
China Eastern tem perdas em contratos de combustível

A prefeitura de Curitiba começa a aplicar, a partir de agora, uma pu­­nição mais rigorosa para veículos estacionados em lugar irregular, que estejam atrapalhando o trânsito ou que tenham problemas de documentação. Em todas essas situações, os carros, motos e caminhões poderão ser guinchados, e seus donos terão de pagar para retirá-los novamente.

Em teoria, a regra da remoção passa a ser aplicada hoje. Mas a intenção da prefeitura é fazer um período de adaptação, com os agentes de trânsito fazendo um trabalho educativo, orientando os motoristas sobre a possibilidade de uso do guincho.

A remoção será feita pela empresa Auto Socorro RemovCar, que venceu licitação feita em junho deste ano. O pátio onde os veículos removidos ficarão fica na Avenida Salgado Filho, no Uberaba. Os guardas de trânsito vão receber treinamento da empresa.

Rosângela Batistella, diretora da Urbs, empresa pública responsável pela administração do trânsito de Curitiba, lembra que o veículo irregular só poderá ser removido com a presença de um agente de trânsito, que deverá acompanhar o veículo até o pátio da empresa. Antes disso, selos serão afixados em todas as entradas do veículo, a fim de que se possa perceber se houve ou não a violação do veículo. No local, os agentes também deverão colar um adesivo na calçada informando a remoção e fornecendo telefone de contato. O veículo deverá ser fotografado em detalhes.

Para retirar o veículo removido, o proprietário deverá pagar o serviço de guincho e as diárias da permanência do veículo no pátio da empresa (veja valores no box). No entanto, antes disso todos os débitos vencidos referentes ao veículo (como IPVA, licenciamento e multas de trânsito) deverão ser quitados. O motorista também receberá uma multa, que poderá variar de leve a gravíssima, com valores entre R$ 53,20 e R$ 191,54. Caso o veículo não seja retirado em 90 dias, poderá ser leiloado.

Se o veículo ainda estiver na ram­­pa de acesso do caminhão-gui­­ncho, é possível retirá-lo sem o pa­­gamento das taxas do serviço de guincho. Porém, o proprietário não ficará isento da multa. Os valores arrecadados com a remoção serão revertidos inteiramente para a empresa que venceu a licitação. Os valores das multas serão repassados para a Urbs.

Empresa

A empresa ganhadora da licitação tem quatro caminhões e um espaço com capacidade para abrigar 600 veículos. O serviço de guincho atenderá durante 24 horas por dia e tem a capacidade para remover carros, caçambas, motos e veículos pesados, como ônibus e carretas, por exemplo.

Veja matéria original

COMMENTS