Arrecadação nominal de tributos cresce na primeira metade de 2009

Aumento foi de R$ 3,12 bilhões, o que representa uma diferença de 0,6% em relação ao mesmo período de 2008. Números são de um estudo realizado pelo IBPT

Porsche vira majoritária na VW
Grupo Comolatti abre duas novas unidades de autopeças no Centro-Oeste
Hamburg Süd marca presença na feira Fruit Logistica 2009 na Alemanha

Segundo estudo do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), a carga tributária brasileira caiu 0,95 ponto percentual, o que corresponde a 36,04% do PIB nos primeiros seis meses de 2009, frente a 36,99% do PIB do mesmo período de 2008. Porém, apesar dessa queda, a arrecadação total teve aumento nominal de R$ 3,12 bilhões (0,6%), sendo arrecadados R$ 519,24 bilhões. No primeiro semestre do ano passado, o valor foi de R$ 516,13 bilhões.

Nessa primeira metade do ano, mostra o estudo, cada brasileiro pagou R$ 2.711,22 de tributos, onde a arrecadação média diária foi de R$ 2.868.752.684,18. Para se ter uma ideia, esse valor representa a arrecadação de R$ 119.531.361,84 por hora, ou R$ 1.992.189,36 por minuto, ou, ainda, R$ 33.203,16 por segundo.

Os tributos federais, nesse período, totalizaram R$ 350,11 bilhões (67,43%), os estaduais R$ 140,59 bilhões (27,08%), e os municipais R$ 28,55 bilhões (5,5%). Dentre esses, os que tiveram crescimento nominal foram o INSS (R$ 9,59 bi), FGTS (R$ 2,68 bi), Imposto de Importação (R$ 0,32 bi), Imposto de Renda (R$ 0,15 bi) e FUNDAF (R$ 0,03 bi). Nominalmente, o tributo federal que apresentou maior queda foi a COFINS, com R$ 5,28 bilhões.

“Houve crescimento nominal da arrecadação porque somente a União promoveu medidas de desoneração tributária.  Os Estados nada fizeram para auxiliar a sociedade no combate à crise e o ICMS teve crescimento nominal de 2% e o IPVA de 16%”, diz Gilberto Amaral, presidente do IBPT. As medidas tributárias federais de combate à crise econômica resultaram numa queda nominal de arrecadação de R$ 7,92 bi (R$ 9,44 bi corrigidos pelo IPCA), sendo R$ 4,50 bi de IPI (R$ 5,38 bi corrigidos pelo IPCA), R$ 1,03 bi (R$ 1,50 bi corrigidos pelo IPCA) de IOF e R$ 2,39 bi (R$ 2,50 bi corrigidos pelo IPCA) de CIDE.

Por: Bruno Martins – Redação Portal Transporta Brasil

COMMENTS