Rede ALL contabiliza volume de cargas 7,6% maior no 1º semestre

Se considerados somente os resultados da ALL Brasil, o incremento sobe para 9,7% no período

Licença para duplicação da ‘364’ está a cargo da Sema (MT)
ANTAQ prepara norma sobre trânsito seguro de produtos perigosos em instalações portuárias
Dnit prepara postos para pesar cargas nas estradas

A América Latina Logística (ALL), especializada no transporte ferroviário de cargas, registrou crescimento consolidado de 7,6% no volume movimentado durante o primeiro semestre de 2009. Se considerados somente os resultados da ALL Brasil, o incremento sobe para 9,7% no período, chegando à casa dos 17,5 bilhões de TKU (unidade relativa ao volume de toneladas transportadas por quilômetro percorrido).

De acordo com Bernardo Hess, diretor presidente da ALL, o aumento dos volumes movimentados demonstra a capacidade de adaptação da companhia ao atual cenário de recessão econômica. “Os resultados foram alcançados apesar da queda de 49% no volume de fertilizantes, a principal carga de retorno no segmento de commodities agrícolas”, comentou o executivo, em comunicado.

Por outro lado, o lucro líquido do semestre ficou em R$ 37, 5 milhões, queda de 59% em relação aos R$ 91 milhões vistos nos primeiros seis meses de 2008. O diretor presidente da ALL apontou ainda como variáveis que influenciaram o desempenho financeiro a queda de na produção industrial no Brasil e na Argentina (onde a empresa mantém um braço), a quebra de 45% da safra argentina, os preços menores do mercado de frete e a redução do preço do diesel ocorrida em junho passado.

No geral, o volume de commodities agrícolas cresceu 11,2% no primeiro semestre, saltando de 11,2 bilhões de TKU para 12,5 bilhões de TKU. Na exportação destes produtos, o aumento foi maior, de 19% na comparação como o mesmo período do ano passado, em compensação aos fertilizantes.

Volume

O volume de industrializados avançou 6,1% no semestre, chegando aos 5 bilhões de TKU. Diante da performance do semestre, a empresa manteve a meta de crescimento (guidance) em 10% a 12% na ALL Brasil. “As perspectivas para o segundo semestre são otimistas em função da expectativa de aumento das cargas de retorno e dos novos projetos no segmento de produtos industriais”, analisou Paulo Basilio, diretor financeiro da ALL. A companhia também deve manter os planos de investimentos para este ano, já que no primeiro semestre, conseguiu aportar R$ 305 milhões em seus projetos, valor alinhado aos R$ 600 milhões planejados para 2009. (Fabíola Binas – DCI)

Veja matéria original

COMMENTS