Terminal no Porto do Recife terá edital em agosto

O terminal contará com dois berços específicos para atração de navios de cruzeiros já a partir desta temporada (2009/2010)

Logística é a saída para empresas de transporte rodoviário
Decisão inédita isenta empresas de pagar o ISS
Reclamações via call center terão que ser respondidas em 5 dias úteis

O Terminal Marítimo que será construído no Armazém 7 do Porto do Recife, com aporte de R$ 11,5 milhões, terá processo licitatório lançado até o final de agosto, segundo o presidente do porto, Alexandre Catão. O terminal contará com dois berços específicos para atração de navios de cruzeiros já a partir desta temporada (2009/2010).

“Estamos elaborando o termo de referência do terminal para a formulação da minuta de edital para iniciar a licitação, que deverá ficar pronta até o final de agosto. Já temos empresas interessadas em concorrer para construir, operar e administrar o terminal. O grupo do Terminal Marítimo de Concais, em Santos (SP), já aprovou o pré-projeto. A Royal Caribbean Internacional e a MSC Cruzeiros também sinalizaram interesse. Este será o primeiro terminal do Nordeste com capacidade para atender três navios simultaneamente”, comemorou Catão.

Enquanto isso, até o final de agosto, a última etapa da dragagem do Porto do Recife – que contemplará o canal Sul de acesso ao atracador e contará com 11,5 metros de profundidade – deverá ser concluída com o auxílio da nova draga, prevista para chegar até a primeira quinzena do próximo mês. “A nova draga – Volvox Delta – opera com o dobro da capacidade do equipamento que já temos (HAM 309). Ambas pertencem à empresa Somar Serviços de Operação Marítima, que executa a obra”, explicou. A dragagem está orçada em R$ 31 milhões e será custeada pelo Governo Federal.

Com a finalização da dragagem, o novo calado do canal passa a contar com dez metros de profundidade. Segundo Catão, isso representa uma redução de custos para as exportações e possibilita novas negociações para o desenvolvimento do porto. “Estamos trabalhando há mais de três meses para criar alternativas para aumentar a movimentação de cargas e cabotagens que pode viabilizar uma linha para a África. Depois da dragagem, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), por exemplo, utilizará o porto, e com isso, movimentará 300 mil toneladas de milho por ano”, anunciou o presidente do porto.

COMMENTS