Shell vai investir R$ 10 mi em MT

Em reunião com o assessor econômico da Secretaria de Fazenda, Vivaldo Lopes, que na ocasião representou o secretário de Fazenda, Eder Moraes, e técnicos do órgão, os representantes da empresa afirmaram que o crescimento na demanda por combustível prevista com a recuperação econômica fará com que seja triplicada a participação da distribuidora em Mato Grosso

Governo vai investir R$ 95,7 milhões na ampliação do Porto de Paranaguá
Campinas debate Viracopos, TAV e pedágios
Docas e aeroportos adotam plano para conter gripe suína

Após voltar a atuar no mercado mato-grossense em fevereiro deste ano, a Shell anunciou ontem que irá construir sua base própria de operação em Cuiabá, com capacidade para circular dez milhões de litros de combustível por mês. Para o governador em exercício, Silval Barbosa, grandes empresas como a Shell estão investindo no Estado devido à segurança econômica e fiscal, mesmo nos momentos críticos da crise financeira mundial. “O Brasil como um todo tem mostrado que movimentar a economia através da geração de emprego e renda é a melhor alternativa”.

Em reunião com o assessor econômico da Secretaria de Fazenda, Vivaldo Lopes, que na ocasião representou o secretário de Fazenda, Eder Moraes, e técnicos do órgão, os representantes da empresa afirmaram que o crescimento na demanda por combustível prevista com a recuperação econômica fará com que seja triplicada a participação da distribuidora em Mato Grosso. A expectativa para a construção com início previsto para dezembro é de R$ 10 milhões.

A reunião na Sefaz serviu para que a empresa conhecesse os procedimentos fiscais de Mato Grosso. “Nosso retorno ao Estado de Mato Grosso está diretamente ligado a forma como a Sefaz está atuando. É uma política bastante rígida, mas também é muito justa. O ambiente regulatório evoluiu muito e dá segurança para que a Shell se estabeleça e faça negócios”, comentou o dirigente da empresa, Roberto Figueiredo.

O representante da Shell explicou que a distribuidora está com uma estrutura pequena para a atual demanda. “Nós acreditamos que nos próximos seis meses tenhamos de encontrar maneiras de suprir 10 milhões de litros ao mês. O cenário econômico com a ascensão do agronegócio está muito favorável, ele é a mola do desenvolvimento na região Centro-Oeste”. A expectativa é que a nova base gere pelo menos 2 mil empregos somados os empregos indiretos.

Conforme Vivaldo Lopes, empresas como a Shell comprovam que seguir a risca o que determina a legislação beneficia quem quer concorrer no mercado de forma justa, sem a utilização de artimanhas para ampliação de lucros. “Por orientação do secretário Eder Moraes, o Fisco estadual modernizou muito o controle de informação, a integração com outros bancos de dados, o monitoramento nos postos fiscais. São ações que dão mais segurança aos empresários que estão em dia com o pagamento dos impostos, pois eles sabem que seu concorrente não está praticando um preço menor em cima da sonegação fiscal”, afirmou.

Atualmente a Shell fatura em Mato Grosso entre R$ 15 e 20 milhões com trabalho em uma base arrendada com capacidade para a circulação mensal de 3 milhões de litros.

COMMENTS