Sem controle, cargas excedem peso em BRs

De acordo com a Viapar, o encarregado pela balança em Nova Esperança (PR), Weberton César Alcides Vaz, diz que a falta de policiamento tem estimulado o transporte de cargas acima do peso permitido, principalmente de areia

Estrangeiros disputam licitação de trens do Rio
Canhedo tenta salvar seu grupo da falência da Vasp
Aeroporto Regional de Tauá (CE) é inaugurado

As dúvidas que pairam sobre o controle das estradas da União que cortam o Paraná, desde a saída da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) e a entrada da Polícia Rodoviária Federal (PRF), há dois meses, têm levado caminhoneiros a se exceder nas cargas para fazer render o carreto. A concessionária Viapar diz estar registrando crescimento no número de caminhões com excesso de carga desde o dia 15 de maio, quando a PRE deixou de atuar em trechos federais como a BR-376, entre Maringá e Paranavaí.

De acordo com a Viapar, o encarregado pela balança em Nova Esperança, Weberton César Alcides Vaz, diz que a falta de policiamento tem estimulado o transporte de cargas acima do peso permitido, principalmente de areia. “Só no mês passado, esse aumento foi de 654% em comparação com a média dos primeiros cinco meses do ano, de 80,2 notificações por mês”, informou em nota. A responsabilidade pelo policiamento nas rodovias federais passou para a PRF, mas o registro da multa na balança ainda não vem ocorrendo.

Jogo de empurra – A Viapar diz emitir o laudo comprovando a irregularidade no transporte, mas estado e União não definiram quem fará as autuações. Weberton lembra que essa situação acontece no momento em que uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) reduz de 7,5% para 5% a tolerância máxima sobre o limite de peso bruto transmitido por eixo, que vai entrar em vigor no dia 31 de dezembro. “O peso excessivo compromete a segurança dos veículos com sobrecarga, pondo em risco o usuário da rodovia, além da qualidade do pavimento, diminuindo a sua vida útil”, comenta o engenheiro de obras Egilson Mota Leal, da Viapar.

Em nota, a PRF informa que a fiscalização e a validação dos autos de infração por excesso de peso nas rodovias delegadas cabem ao Departamento de Estradas e Rodagem (DER-PR). O trecho da BR-277 entre Curitiba e Paranaguá, por exemplo, sempre esteve sob a responsabilidade da PRF e todas as autuações por excesso de peso nos postos de pesagem são lavradas pelo órgão estadual. Já o DER diz que as operações de pesagem de veículos nos 2,5 mil quilômetros de malha rodoviária concedida no Paraná são montadas pelas próprias empresas, com o apoio de um agente do DER, que lavra os autos de infração. A segurança das mesmas é responsabilidade da PRF.

Sem alterações – Outras duas concessionárias ouvidas pela reportagem (Ecovia e Rodonorte) informaram que até o momento não verificaram alteração significativa, para mais ou para menos, nos casos envolvendo excesso de peso transportado pelos caminhões que circulam nos seus trechos concessionados. Segundo a Rodonorte, na PR-151, fiscalizada pela PRE, as balanças operam normalmente. Nos trechos das BRs 277, 376 e 373, a PRF atua pelo sistema de amostragem, confrontando o peso informado na nota fiscal do transportador com o peso aferido pelas balanças de pesagem. Em caso de divergência, a própria PRF emite a multa.

A Rodonorte diz que até começa a perceber uma redução nos casos de fuga das balanças nos seus trechos fiscalizados pela PRF. No trecho da BR-277 entre Curitiba e Paranaguá também não houve alterações, conforme a concessionária Ecovia. Dos 164.433 veículos de carga que passaram pela balança este ano, 3.232 foram multados por excesso de peso.

COMMENTS