Ônibus de Curitiba irão rodar com biocombustível

Seis veículos da frota urbana da capital paranaense passarão a circular integralmente com biodiesel a partir de agosto. Iniciativa é pioneira no Brasil

Brasil Ecodiesel subtrai dívidas adotando redirecionamento estratégico
Santos Brasil adota biodiesel de baixo enxofre em sua frota de caminhões
Governo deve antecipar aumento da mistura de biodiesel no diesel

Seis ônibus da frota curitibana passarão a circular integralmente com biocombustível a partir de agosto. Um Acordo de Cooperação para Pesquisa Técnica de Uso do Biocombustível em Ônibus Urbanos foi assinado na semana passada na Capital por fabricantes, produtores, distribuidores e instituições de pesquisa que irão participar do período de testes que segue até o próximo ano. A iniciativa é pioneira no Brasil.

Segundo Marcos Isfer, presidente da Urbanização de Curitiba S/A (Urbs), mentora do projeto, todos os 18 ônibus da Linha Verde receberão as adaptações para rodar com o combustível a base de soja até o início de 2010. ”Se tudo correr dentro do esperado, toda a frota curitibana, cerca de 2,5 mil veículos, será adaptada”, conta. Atualmente, são feitas experiências com uso de diesel misturado a biocombustível em 20% e 50%, os chamados B20 e B50, em Curitiba. Pela primeira vez será usado o B100.

Para Isfer, o maior benefício da mudança é ambiental. ”Além estarmos utilizando uma energia renovável, testes mostraram que há redução de 50% dos poluentes expelidos pelo diesel comum”, explica. Em contrapartida, de início deve haver um aumento nos custos em virtude da diferença de preço entre os combustíveis, sendo que o biocombustível está, atualmente, mais caro. No entanto, Isfer aposta que essa diferença deve diminuir com o aumento de consumo do produto mais ecológico. Ele garante que não haverá aumento nas tarifas do transporte.

Para viabilizar o projeto, a Urbs contou com o apoio da Secretaria Municipal do Meio Ambiente; da produtora do biocombustível, BSBIOS Indústria e Comércio de Biodiesel; dos fabricantes de chassis e motores Volvo e Scânia; das empresas de ônibus Cidade Sorriso e Redentor; do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar); do Programa Brasileiro de Desenvolvimento Tecnológico e Combustíveis Alternativos (Probiodiesel) e da Distribuidora de Petróleo RDP, responsável pela distribuição do biocombustível às empresas de ônibus.

COMMENTS