Navegação Aliança conclui navio em 2010

A construção da embarcação foi contratada em novembro, com a companhia Intecnial de Erechim, e a montagem se iniciou no estaleiro da Navegação Aliança localizado em Taquari em maio

PAC 2 terá investimentos de R$ 3 bilhões para armazenagem de grãos
CNI alerta empresas para a importância das normas de segurança na cadeia logística
Diesel com menos enxofre faz cair emissão de fumaça de ônibus urbanos no Rio

A empresa Navegação Aliança espera concluir em fevereiro de 2010 o segundo navio da sua série Fundadores: o Frederico Madorin. A construção da embarcação foi contratada em novembro, com a companhia Intecnial de Erechim, e a montagem se iniciou no estaleiro da Navegação Aliança localizado em Taquari em maio.

Na semana passada, 39 pessoas trabalhavam na obra e, a partir desta semana, esse número deve subir para 56. No auge das atividades, em setembro, devem ser utilizadas em torno de cem pessoas. O primeiro navio da série Fundadores, o Germano Becker, foi lançado em 2006 e absorveu um investimento de R$ 14,5 milhões. Já o Frederico Madorin implicará um investimento de R$ 16,5 milhões.

A Navegação Aliança negociará com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) o financiamento do projeto. Por enquanto, a companhia está adiantando o investimento com recursos próprios. Enquanto o Germano Becker tem uma capacidade para transportar 5,4 mil toneladas, o Frederico Madorin terá uma capacidade para 4,7 mil toneladas.

O diretor operacional da Navegação Aliança, Ático Scherer, explica que um dos fatores que deixou mais elevado o custo do Frederico Madorin foi o aumento do preço do aço. A embarcação pesará em torno de 1,2 mil toneladas, sendo que o aço representa 1,1 mil toneladas deste total. Scherer informa que as duas embarcações serão as de maior capacidade operando na hidrovia do Interior gaúcho.

O Frederico Madorin movimentará granéis sólidos e cargas em pallets (espécie de estrado). O navio deverá levar, principalmente, soja dos terminais hidroviários para o porto de Rio Grande e fertilizantes no sentido inverso. O navio terá 103 metros de comprimento e 15,5 metros de boca (largura máxima da baliza mestra). Carregado, poderá alcançar uma velocidade de 6,5 nós e vazio 7 nós (um nó equivale a uma milha náutica por hora ou 1.852 metros por hora).

Futuramente, a Navegação Aliança também pretende construir o João Mallmann, com capacidade para 4,7 mil toneladas, e encerrar a série Fundadores. Scherer argumenta que o tempo de implantação do novo navio dependerá da demanda que será apresentada pelas hidrovias.

COMMENTS