Memorando do estaleiro previsto para novembro

O Estaleiro Ceará, empresa que está sendo criada entre a PJMR e a SKG — ambas sócias do Estaleiro Atlântico Sul, hoje o maior do País e que está sendo instalado em Pernambuco —, irá participar da licitação da Transpetro para a construção de oito navios na condição de ´estaleiro virtual´

Catarinenses pagam até R$ 235,00 menos por CNH
Montadora do Japão elege o Brasil para expandir produção
Donos de postos acham que preço do álcool não cairá; consumidores acreditam em redução

O Memorando de Entendimentos para a construção do Estaleiro Ceará, a ser localizado na ponta da enseada do Mucuripe, estará pronto até novembro. Na última terça-feira, o executivo da PJMR — empresa que encabeça o projeto —, Paulo Haddad, reuniu-se com secretários do Governo do Estado e representantes da Prefeitura de Fortaleza para começar a acertar as obrigações de cada uma das partes na concretização do empreendimento. ´Fizemos o cronograma de trabalhos para que cada um dos pontos do memorando esteja concluído até novembro´, informou o presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico do Estado (Adece), Antônio Balhmann. ´Com esse memorando, vamos dar todas as garantias à empresa para o estaleiro seja construído´, esclarece.

O Estaleiro Ceará, empresa que está sendo criada entre a PJMR e a SKG — ambas sócias do Estaleiro Atlântico Sul, hoje o maior do País e que está sendo instalado em Pernambuco —, irá participar da licitação da Transpetro para a construção de oito navios na condição de ´estaleiro virtual´. Isso significa que ele só será construído caso saia vencedor no processo. O projeto do estaleiro está orçado em US$ 70 milhões. Já os trabalhos de infra-estrutura a serem empreendidos pelo governo estadual e pela Prefeitura estão estimados em R$ 60 milhões, valor que será precisado com a feitura do memorando.

Segundo o presidente da Adece, foram discutidas, ontem, questões como incentivos fiscais — que ainda serão avaliados por equipe da Secretaria da Fazenda (Sefaz) —, meio ambiente, infra-estrutura e formação de mão-de-obra qualificada para o estaleiro. A intenção é atrair outras empresas para o consórcio, inclusive empreendedores cearenses. Balhmann, contudo, informou que estes parceiros ainda não estão definidos. ´Nós vamos avaliar quem tem experiência, esta é uma questão ainda mais para frente´, aponta.

A cearense Marquise, que chegou a realizar estudo para avaliar a viabilidade de seu entrada nesse projeto, isso já há alguns meses, informou ontem ao Diário do Nordeste, através de sua assessoria de imprensa, que já desistiu da empreitada. O estaleiro do Mucuripe construirá, caso concretizado, navios de alto valor, como navios de produtos, bunkers (carregadores de combustível para outros navios), embarcações de apoio e gaseiros. Participaram ainda da reunião, os secretários de Educação, Isolda Cela, da Casa Civil, Arialdo Pinho, e da Sefaz, Mauro Filho. A titular da Semace, Lúcia Teixeira, o procurador-geral do Estado, Fernando Oliveira, além de representantes da prefeitura municipal de Fortaleza.

COMMENTS