Trip estreia nova malha a partir de Porto Alegre

A operação na Capital gaúcha inaugura novo momento da Trip na região. Mesmo com um ano de presença local, a empresa oferecia apenas voo para Cascavel, no Paraná

Usina brasileira produz etanol no Sudão
Montadoras prevêem queda nas vendas de até 15% no ano
O exemplo do porto asiático

Porto Alegre está definitivamente integrada à malha regional da Trip Linhas Aéreas, maior companhia em cidades atendidas e frota neste segmento no Brasil e na América do Sul. O diretor de marketing e vendas da empresa, Evaristo Mascarenhas de Paula, informou ontem, na Capital, que já estão disponíveis voos diários para Foz do Iguaçu e conexões para mais 14 cidades no País, incluindo aeroportos do Rio de Janeiro, Londrina, Cuiabá e Manaus. Mascarenhas aposta em um fluxo mensal de 1,2 mil passageiros. O diretor antecipou que a companhia já estuda inclusão de mais terminais gaúchos e de Santa Catarina, que ainda está fora da malha, até o final do ano.

A operação na Capital gaúcha inaugura novo momento da Trip na região. Mesmo com um ano de presença local, a empresa oferecia apenas voo para Cascavel, no Paraná. A rota foi extinta há algumas semanas para dar espaço ao novo plano. Segundo o executivo, o mercado de passageiros do Estado ajudará a empresa a alcançar a meta de crescimento de 71% do faturamento em 2009. Estão previstos R$ 502 milhões, ante R$ 322 milhões do ano passado. “Temos aeronave para isso e o mercado está sendo desenvolvido”, justificou Mascarenhas. Com frota de 25 aeronaves, a empresa quer chegar a 30 até dezembro.

“A crise não é problema. Vamos aonde a aviação ainda não chegou”, preveniu o executivo. Para o diretor da Trip, a aviação regional brasileira, que representa 3% do fluxo, está no mesmo nível que os Estados Unidos ostentavam em 1970. “Lá o transporte aéreo regional detém 25% do mercado”. O espelho no exemplo americano não é à toa. A empresa, com 80% de capital brasileiro, tem como principal sócio a SkyWest, maior empresa aérea regional do mundo e com operação nos EUA.

Os investimentos da Trip e ampliação da malha demonstram a disputa cada vez mais acirrada no setor. A companhia que hoje abrange 73 cidades pretende fechar o ano com 80 e ultrapassar as cem até 2011. Para alcançar o feito, além da marca de 1,6 milhão de passageiros neste ano, a Trip quer tirar clientes das empresas de ônibus. “O setor aéreo transporta 45 milhões de pessoas por ano no Brasil. Os ônibus levam 400 milhões”, contrasta.

Modelos de avião turbo hélice, o ATR-72 500, com 68 assentos, farão o transporte até Foz do Iguaçu. A partir da cidade fronteiriça com o Paraguai, os passageiros terão conexões para os demais destinos. Jatos da Embraer, com 86 lugares, fazem trajetos de maior distância. Os jatos e turbo hélice não têm terceira poltrona. O serviço de bordo é um dos diferenciais. As refeições, com versões para verão e inverno, têm prato quente, saladas e frutas. O executivo explicou que a dieta é projetada para atender às necessidades alimentares de usuários que costumam embarcar muito cedo ou não têm como almoçar devido a compromissos.

O diretor descartou a comercialização de bilhetes com preços promocionais que “duram algumas semanas e depois sobem” para Porto Alegre. A comparação é recado indireto à estratégia de concorrentes. O preço mais em conta é de R$ 199,00 para Foz do Iguaçu. Para o aeroporto Santos Dumont, no Rio, por exemplo, o tíquete será de R$ 299,00. As vendas ocorrem pela internet, televendas e nas agências de turismo. A empresa aérea tem cinco categorias de valores de passagens.

COMMENTS