Natura conclui reestruturação

Cada uma das cinco regionais ganhou autonomia para tomar decisões

Lula exige empenho para regulamentar o pré-sal
A retomada dos caminhões será mais difícil
Petrobras inaugura primeiro posto de combustível com sua marca no Chile

Redesenhada em cinco regionais desde o ano passado, a Natura deve concluir até o final do ano o processo de reestruturação para a unidade gaúcha, responsável pelas operações também em Santa Catarina e no Paraná.

Organizada para dar mais agilidade à gestão da gigante brasileira de venda direta de cosméticos e perfumaria, a mudança também poderá permitir que a empresa estabeleça portfólios de produtos específicos para as regiões do país. No Sul, por exemplo, as mulheres estão mais preocupadas com os cuidados do rosto e maquiagem. No Nordeste, perfumes e fragrâncias são os preferidos – detalhes que podem direcionar o foco de atuação e de lançamentos, admite Luiz Bueno, gerente-geral da operação na Região Sul.

– Mais pessoas pensando com a cabeça de presidente dá mais agilidade – acrescenta Bueno.

O novo modelo de gestão desmanchou o sistema centralizado de comando pelo qual foi construída a empresa de 40 anos. Agora, cada uma das regionais tem autonomia de decisão e de operação. Para isso, as áreas de vendas, planejamento e logística foram integralmente regionalizadas, e os departamentos de recursos humanos e financeiro, transferidos em parte. Marketing e propaganda, além de produção, permanecem sob um só guarda-chuva.

– A Natura continua única, com ajustes regionais, e algo ainda centralizada – esclarece Bueno.

Com uma receita líquida de R$ 844,7 milhões no primeiro trimestre do ano – 26,5% maior do que em igual período de 2008 –, a empresa estaria sentindo menos os efeitos da crise econômica, a exemplo do setor, um dos últimos a refletir o impacto da turbulência global.

A empresa atribui o desempenho aos efeitos do plano de ação anunciado no ano passado e ao crescimento dos canais de vendas. Em março, a companhia mantinha 742 mil consultoras, 112 mil a mais do que no mesmo mês do ano passado. Segundo Bueno, o chamado “efeito batom” – para compensar o corte no consumo de produtos mais caros em tempos difíceis, as mulheres continuam comprando cosméticos e perfumes –, também contribuiu para o bom desempenho

Link para a matéria

COMMENTS