Aumenta o cerco aos postos de combustíveis

O delegado do Nurce, Fernando Martins, disse que o objetivo da primeira reunião foi tomar conhecimento do assunto

Paranaguá amplia em 33,78% exportação de congelados
Trecho da BR-101 está sem obras há dois meses
Adesão ao Simples Nacional vai até o fim deste mês

As investigações sobre os preços dos combustíveis em Londrina ganharam um reforço nesta segunda-feira. A partir de agora, o Núcleo de Repressão a Crimes Econômicos também vai participar das ações iniciadas pelo Ministério Público (MP), pela coordenadoria municipal do Procon e Polícia Federal. Ontem à tarde, houve uma reunião entre os representantes dos quatro órgãos na sede do MP em Londrina.

O delegado do Nurce, Fernando Martins, disse que o objetivo da primeira reunião foi tomar conhecimento do assunto. Logo após o encontro, ele anunciou que vai designar uma equipe para acompanhar as investigações. ”O que queremos é dar uma resposta o mais rápido possível à sociedade”, afirmou. A coordenadoria regional do Nurce fica na cidade de Maringá, mas tem autonomia para agir em todo Estado. O órgão é formado por agentes das Polícias Civil e Militar.

Martins pretende focar as investigações em dois pontos básicos. ”A princípio, vamos investigar a possibilidade de formação de cartel, porque há evidências da combinação de preços dos combustíveis na cidade, e vamos investigar também a possibilidade de sonegação fiscal”. O delegado espera que a sociedade participe dos trabalhos repassando informações aos órgãos que realizam as investigações.

O convite para participação do Nurce foi feito pelo promotor de Defesa do Consumidor, Miguel Sogaiar. ”A inclusão do núcleo significa que haverá um aprofundamento nas investigações dos combustíveis em Londrina a partir de agora”, disse o promotor.

A investigação em Londrina começou na quarta feira da semana em uma ação conjunta do Ministério Público com a coordenadoria municipal do Procon. Na quinta feira, a operação ganhou o reforço da Polícia Federal e, agora, do Núcleo de Repressão a Crimes Econômicos.

A Polícia Federal entrou nas investigações depois da denúncia de que o dono de um posto havia sido ameaçado por reduzir os preços dos produtos. Nesse mesmo dia, o delegado da Polícia Federal, Evaristo Kuceki, admitiu indícios da formação de cartel na cidade.

A previsão é que esta etapa dos trabalhos dure até o final deste mês com a tomada de depoimentos de todos os empresários do setor.

COMMENTS