Venda de automóveis deve ficar estagnada neste ano

A prorrogação da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os carros novos incentivou as compras e impediu o “desastre” que havia sido anunciado para este ano

BR-116: região quer implantação de 3ª faixa para desafogar rodovia
Aspen Combustíveis investe no atendimento a varejistas
Grupo Manserv dobrará área de logística para crescer 35%

O mercado de automóveis deve ter em 2009 um volume de vendas semelhante ao alcançado ano passado. Segundo o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores(Fenabrave), Sérgio Reze, a prorrogação da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os carros novos incentivou as compras e impediu o “desastre” que havia sido anunciado para este ano.

Pelas estimativas da Fenabrave, o mercado de automóveis deve se estabilizar este ano em uma média de 220 mil unidades por mês. Reze atribuiu a queda de 12,09% na comercialização de automóveis, na comparação entre abril e março, pelo fato do terceiro mês do ano ter sido “excepcional”. Segundo ele, a expectativa de que a desoneração do IPI acabasse provocou uma antecipação das vendas.

O reaquecimento da economia descarta a necessidade de uma nova prorrogação da redução do imposto sobre carros novos que termina em junho, segundo o presidente da Fenabrave. “Se a economia reage, não há mais necessidade de uma renúncia fiscal como essa [do IPI]”, considerou.

A situação é mais complexa para o setor de caminhões. Segundo Reze, como as mineradoras e a indústria ainda enfrentam problemas com a crise, a demanda por transporte de mercadorias caiu. Ele ressaltou que esse é o principal motivo pelo qual as vendas de caminhões registram uma perda de 24,92% na comparação de abril deste ano e o mesmo mês de 2008.

Em abril deste ano foram vendidos 8.382 caminhões, contra 11.164 em 2008. “Quando você não tem o frete, o caminhoneiro ou a empresa de transporte não compra”, ressaltou.

Em relação às motocicletas, a comercialização de 126 mil unidades em abril representa uma queda de 27,19% em relação a 2008 e redução de 9,08% frente a março. Reze atribui a queda à dificuldade do consumidor de motos, em geral de baixa renda, em comprovar os rendimentos e conseguir financiamento. (Danel Mello – Aência Brasil)

COMMENTS