Santos Brasil não se abate com a crise e mantém os investimentos

"Sabemos que há uma crise, mas temos que investir para estarmos preparados para enfrentar os tempos difíceis. Além do mais, os projetos são de longo prazo", disse o presidente da empresa, Wady Jasmin

Tráfego aéreo internacional cai pelo 2º mês, diz IATA
Detran apreende mais de 1,6 mil veículos em combate à inadimplência do IPVA no RJ
Comissão do Senado debate uso de películas de proteção em carros

Mesmo com a queda na movimentação nos portos brasileiros no primeiro trimestre deste ano, a Santos Brasil, que administra o maior terminal de contêineres do Brasil o Tecon em Santos, manterá os investimentos no aumento da capacidade de seus terminais.

“Sabemos que há uma crise, mas temos que investir para estarmos preparados para enfrentar os tempos difíceis. Além do mais, os projetos são de longo prazo”, disse o presidente da empresa, Wady Jasmin.

Durante 2008, a companhia investiu R$ 537 milhões, em itens como expansão de área, compras de equipamentos e soft-wares mais modernos e aquisições de concorrentes.

No Tecon, no Porto de Santos, Jasmin afirmou que a Santos Brasil deverá receber entre este mês e junho, mais seis portêineres que aumentarão a produtividade do terminal. “São equipamentos capazes de movimentar até quatro contêineres de uma só vez. Com isso, nossa movimentação passará de 58 movimentos por hora para 90 movimentos por hora já no próximo ano, performance equiparada aos grandes portos do mundo, como o de Cingapura”, explicou o executivo.

Com os novos portêineres o Tecon passará a ter uma frota de 14 equipamentos. Segundo Jasmin foram investidos cerca de R$ 60 milhões na compra dos portêineres da marca ZPMZ e os três primeiros equipamentos deverão ser entregues neste mês e o restante em junho.

O Tecon de Santos deverá também receber investimentos na sua ampliação. Este ano o terminal deverá inaugurar o quarto berço. Nessa obra, segundo Jasmin, serão investidos R$ 100 milhões e o T4 terá a capacidade de movimentar 500 mil TEUs por ano. Em 2008 a Santos Brasil movimentou 1,250 milhões de TEUs (unidade equivalente a contêiner de 20 pés).

” 2009 será um ano para reunirmos forças, investirmos, nos reestruturarmos. Por isso, não vamos parar com os nossos planos. Estamos mais cautelosos, mas com o pé no acelerador”, disse Jasmin.

O executivo afirmou, ainda, que a Santos Brasil prevê investimentos na ampliação do Tecon do Imbituba, em Santa Catarina. “Serão aportes que darão aumentarão a performance do terminal”, disse. O Tecon Imbituba foi incorporado pela Santos Brasil em março de 2008, quando a empresa venceu licitação conduzida pela Companhia Docas de Imbituba, com uma oferta de R$ 120 milhões. A empresa investe R$ 283 milhões em obras de expansão e renovação do terminal e aquisição de equipamentos. A previsão é que o Tecon amplie em 47% a capacidade dos portos de Santa Catarina.

Queda na movimentação – Jasmin acredita que o movimento nos portos brasileiros caíram entre 20% a 30% neste primeiro trimestre em relação ao mesmo período de 2008. “O pior da crise estamos sentindo agora. No final do ano passado, quando a crise estourou, o movimento não caiu. A previsão é que o movimento nos portos do País caia até 30% este ano”, disse o executivo. O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MIDIC) já previu uma queda de 20% nas exportações brasileiras este ano, chegando a US$ 60 bilhões.

No ano passado, o grupo Santos Brasil movimentou um total de 860 mil contêineres (1.290.000 TEUs, a unidade referente a contêineres de 20 pés. Durante o quarto trimestre de 2008, somente o Tecon de Santos registrou expansão de 18,8% do volume de contêineres cheios movimentados para importação. Já no acumulado do ano, a alta verificada na unidade de Santos foi de 26,2%.

COMMENTS