Quadrilha terceiriza roubos de carga

Foram cumpridos 22 mandados de busca e apreensão em Guarapuava e Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Os líderes da quadrilha, um homem, sua esposa e seu filho foram presos na Capital

Cadeia logística só escapa de um apagão com R$ 280 bilhões
Brasil está atrasado no uso de gás natural em veículos pesados, afirma presidente de associação
Tribunal de Justiça nega aumento de pedágio na ponte

Mais quatro pessoas foram presas, suspeitas de formarem uma quadrilha de roubo de carga, ao lado de outras, detidas nos últimos dias, pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público estadual (MP-PR). A investigação é do Gaeco de Guarapuava e teve um desdrobramento ontem.

Foram cumpridos 22 mandados de busca e apreensão em Guarapuava e Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Os líderes da quadrilha, um homem, sua esposa e seu filho foram presos na Capital. O prejuízo causado pela quadrilha passaria dos R$ 2 milhões.

Segundo o coordenador estadual do Gaeco, Leonir Batistti, a quadrilha funcionava como uma empresa e chegava a terceirizar roubos. Tudo era feito por encomenda, de responsabilidade do líder.

”Temos catalogados ao menos nove assaltos”, afirma Batistti. O líder levantava as cargas de interesse de outros criminosos, repassava essa informação a receptadores em Curitiba e diversas cidades do interior e recrutava o pessoal especializado nos roubos.

Há registros de assaltos terceirizados por outros criminosos contratados. A maioria das cargas de interesse da quadrilha eram eletrônicos, cigarros, e material hospitalar. Os assaltos ocorriam normalmente nas mesmas regiões onde as prisões foram realizadas.

A primeira parte da operação, ocorrida, no último final de semana, prendeu traficantes, estelionatários, entre outros suspeitos.

Ao todo foram apreendidos 1.106 cartuchos intactos para armas de diversos calibres, 13 armas de fogo de vários modelos, material para recarga e pólvora.

COMMENTS