PRF volta a fiscalizar 3,4 mil quilômetros de estradas federais no Paraná

Segundo o chefe da Comunicação Social, inspetor Fabiano Moreno, hoje a PRF retoma a fiscalização em oito postos localizados na região metropolitana de Curitiba, no centro-sul e nos Campos Gerais

O crime pede carona
Ferrovia na Bahia leva R$ 6 bilhões em aportes
Anac redistribui em Congonhas horários de pousos e decolagens não usados por empresas

Começa hoje (20), às 14h, a Operação Gralha Azul, desencadeada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) para retomar o controle de 3,4 mil quilômetros de estradas federais que cortam o Paraná. Nos últimos 30 anos, esses trechos estiveram sob responsabilidade do Batalhão de Polícia Rodoviária da Polícia Militar. Uma decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região determinou que as ações de fiscalização nas rodovias federais que cruzam o estado sejam exclusivas da PRF.

Segundo o chefe da Comunicação Social, inspetor Fabiano Moreno, hoje a PRF retoma a fiscalização em oito postos localizados na região metropolitana de Curitiba, no centro-sul e nos Campos Gerais.

Amanhã( (21), a PRF passa a atuar em mais dez postos da região norte. Na sexta-feira(22), ela assume os seis postos das regiões centro-oeste, sudoeste, oeste e noroeste.

Enquanto durar a transição do comando nos postos de fiscalização, policiais rodoviários estaduais e federais compartilharão as instalações.

De acordo com o inspetor, além do efetivo da instituição no estado, cerca de 300 policiais de outras cinco unidades da federação foram deslocados para atender a nova demanda. “Em menos de 72 horas, a partir da tarde de hoje, os mais de três mil quilômetros de novos trechos contarão com a presença de policiais rodoviários federais”, garantiu.

Hoje de manhã os policiais que vão trabalhar na Operação Gralha Azul receberam treinamento na sede da PRF, em Curitiba. Na avaliação da superintendência, com o concurso que será realizado pela PRF, essas novas vagas deverão ser preenchidas sem a necessidade de remanejamento de policiais de outros estados. “Mas, enquanto for necessário, isso vai ocorrer, porque o mais importante para a instituição é a segurança da população”.

COMMENTS