Prefeito de Nova Iguaçu (RJ) fala sobre a restrição aos caminhões na Via Dutra

Lindberg Farias (PT) concedeu entrevista exclusiva ao Portal Transporta Brasil e falou sobre os motivos que o levaram a decretar a restrição de horário para a circulação de caminhões no trecho da Via Dutra que corta o município fluminense. A partir de 19 de junho, os caminhões não poderão circular no trecho das 5h às 10h da manhã

Michelin atende demanda de caminhões e ônibus com nova geração de pneus
Caçamba elétrica
Mercedes-Benz inclui freio a tambor como item de série para extrapesados Axor e Actros

A decisão do prefeito de Nova Iguaçu (RJ), Lindberg Farias, do PT, de restringir a circulação de caminhões no trecho da Rodovia Presidente Dutra que corta o município no horário entre 5h e 10h da manhã causou grande debate no setor de transporte de cargas.

De um lado, os transportadores reclamam que terão prejuízos e problemas operacionais graves com a restrição, de outro, a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) afirma que o decreto municipal de número 8.349, publicado em 19 de maio, é ilegal, pois o município não pode legislar sobre o tráfego de uma rodovia federal. A concessionária NovaDutra, que administra a rodovia, não se pronuncia sobre o assunto.

Mas o prefeito defende a iniciativa dizendo que o município pode legislar sobre questões ambientais e afirma que a motivação do decreto é a alta emissão de gases poluentes pelos veículos na rodovia. O Portal Transporta Brasil realizou uma entrevista exclusiva com o prefeito Lindberg Farias, que esclarece alguns pontos do polêmico decreto. Leia na íntegra:

Portal Transporta Brasil: Algumas transportadoras, que têm linhas de transferência pela Via Dutra, dizem que serão prejudicadas comercialmente com o decreto. Poderá haver exceções à restrição?

Lindberg Farias: Essa é uma questão de adaptação. Não estamos proibindo a circulação desses caminhões na rodovia e sim restringindo o acesso no trecho de Nova Iguaçu no horário em que os moradores precisam sair para trabalhar, das 5h às 10h. Outras medidas de restrição já foram tomadas aqui no Rio. Na ponte Rio-Niterói, os caminhões só podem circular das 4h às 10h em dias úteis. Na orla do Rio e em outras 26 ruas há horários pré-determinados para carga e descarga. Em São Paulo também. Além disso, na capital paulista funciona um rodízio de veículos há mais de dez anos. O decreto restringindo o horário aos caminhões reascendeu a discussão sobre a construção de marginais na Via Dutra. O projeto de ampliação em toda a extensão da Baixada melhoraria o fluxo de veículos e também a qualidade do ar.

Portal Transporta Brasil: A ANTT alega que o decreto é ilegal. O senhor acha que o caráter ambiental pode dar legalidade a ele, já que a Dutra é uma rodovia federal?

Lindberg Farias: Tenho certeza de que podemos legislar sobre as questões ambientais no território de Nova Iguaçu. A poluição atinge em cheio a cidade. De acordo com o Laboratório de Estudos da Poluição do Ar da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) a última medição feita na rodovia apontava um índice de teor de carbono quase duas vezes maior que o tolerável pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama).

Portal Transporta Brasil: Por que o horário matutino foi escolhido para a proibição de caminhões na Dutra em seu município?

Lindberg Farias: Hoje os trabalhadores da Baixada Fluminense que saem de manhã para o Centro do Rio ficam quase três horas presos no trânsito. Segundo a Nova Dutra, concessionária que administra a rodovia, 40 por cento do tráfego de caminhões na Dutra é justamente no horário em que eles saem para trabalhar. Aumenta a poluição porque o trânsito não flui normalmente. Por isso o horário entre 5h e 10h somente na pista sentido Rio da rodovia.

Portal Transporta Brasil: Por que apenas os caminhões, se todos os veículos emitem poluentes?

Lindberg Farias: Porque, de acordo com especialistas, a quantidade de poluentes dos caminhões, veículos pesados, é muito maior do que a dos carros pequenos. E parados no trânsito eles se tornam grandes vilões do meio ambiente.

Portal Transporta Brasil: O senhor acha que outros municípios adjacentes também poderão tomar iniciativa parecida?

Lindberg Farias: No dia em que o decreto foi publicado recebi o apoio do prefeito de Mesquita, Arthur Messias, que já estuda algo semelhante em seu município e esta semana vou reunir os demais prefeitos para discutirmos o assunto, já que o problema afeta não só a Nova Iguaçu como aos municípios da região cortados pela Via Dutra.

Portal Transporta Brasil: Qual impacto no trânsito e na emissão de poluentes a prefeitura espera com este decreto?

Lindberg Farias: Esperamos reduzir a quantidade de carbono na atmosfera e fazer com que o trânsito flua com mais rapidez no período. Tenho certeza que sem os caminhões neste período o cotidiano das pessoas que se deslocam diariamente para o Centro do Rio vai mudar.

Portal Transporta Brasil: Quais serão as sanções para os que não respeitarem a restrição?

Lindberg Farias: De acordo com o código ambiental do município serão penalizados com o pagamento de multas que podem variar de 20 a 2.500 Ufinigs, dependendo da infração. Uma Ufinig vale hoje R$ 34,22.

Portal Transporta Brasil: É possível que esta medida tenha impacto negativo na economia da cidade, já que os caminhões trazem demanda de serviços?

Lindberg Farias: Não vejo desta forma, se esse tipo de adaptação causasse perdas na economia, o Rio e São Paulo que já restringem horários aos caminhões seriam exemplos de esvaziamento e não é o caso. O ganho será muito maior para os trabalhadores. Toda essa discussão em torno do meio ambiente e do tráfego na Via Dutra só trará vitórias aos moradores da Baixada.

Por: Leonardo Helou Doca de Andrade – reportagem exclusiva Portal Transporta Brasil

Leia mais sobre a Rodovia Presidente Dutra:

Prefeitura de Nova Iguaçu restringe trânsito de caminhões na Dutra

NovaDutra realiza melhorias no pavimento da via Dutra em Lavrinhas (SP)

NovaDutra realiza obras de melhoria em viaduto na cidade de Belford Roxo (RJ)


COMMENTS