O novo perfil do caminhoneiro

Motoristas atuais possuem mais preparo para a profissão

Funcionários dos Correios protestam contra projeto que revê monopólio do serviço postal
Bombardier lucra, mas corta 3 mil empregos
Ibama vai avaliar impasse em licenciamento de rodovia em Mato Grosso

A maioria dos caminhoneiros contratados pelas transportadoras já está acostumada com treinamentos, formação diferenciada, utilização de novas tecnologias e boa remuneração. Com mais profissionalismo no trabalho, o perfil do novo motorista profissional não pode mais ser comparado com os famosos personagens Pedro e Bino, do seriado Carga Pesada. O Presidente do Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas no Paraná (Setcepar), Fernando Klein Nunes, comenta que o motorista que trabalha por conta própria pode ainda manter aquele aspecto antigo na maneira de trabalhar, mas afirma que o funcionário das transportadoras está muito mais treinado para dirigir nas estradas brasileiras.

O Presidente ressalta que uma das exigências mais simples na hora da contratação é que o caminhoneiro saiba ler e interpretar as informações, pois ele precisa entender o que dizem os documentos que carrega, principalmente no caso de alguma diferença de informações entre a empresa e o cliente. “Outra área que o motorista profissional deve dominar é a tecnologia. Atualmente os caminhões são dotados de diversos equipamentos tecnológicos que auxiliam em todo o transporte e logística da carga, bem como na comunicação com a empresa. É indispensável saber utilizar bem os aparelhos para acelerar o processo” destaca.

Para o Gerente de Operações da Rodomar e Diretor do Setcepar, Marcos Battistella, hoje as transportadoras já proporcionam uma estrutura diferenciada, garantindo bons locais para alimentação e horários de trabalho condizentes com a saúde dos funcionários. Além do salário destes profissionais que evoluiu muito nos últimos anos. “O pagamento gira em torno de R$ 2.500 e R$3.000. Quando são carregadas cargas perigosas este valor chega a R$ 5.000. Para um profissional que não tem ensino superior, é um salário muito bom”, afirma. E continua: “Hoje não é mais o filho do motorista que tem um caminhão e que, sem opção, continua na carreira do pai. Pessoas qualificadas procuram esta profissão para crescer e sustentar suas famílias. Eles escolhem a carreira por opção e não mais por tradição”, finaliza.

Além disso, Battistella destaca que um dos grandes avanços destes profissionais atuais são os treinamentos recebidos nas transportadoras. De acordo com o empresário, os caminhoneiros aprendem sobre direção defensiva, manutenção do veículo e também sobre relacionamento com o cliente, onde se aprende a ter postura. “Desta forma conseguimos profissionalizar o nosso segmento evitando acidentes, demora nos prazos de entrega, entre outros fatores. O investimento em qualificação melhorou, ainda mais, os serviços prestados pelas empresas do setor”, finaliza.

Link para a matéria

COMMENTS