Itapoá abre País para navios de 9 mil contêineres

Dentro desse investimento está, em Itapoá, o Tecon Santa Catarina, que no primeiro semestre de 2010 começa a operar. Trata-se do segundo porto 100% privado do Brasil (o primeiro foi o de Navegantes)

Viações aplicam promoções ao modo das aéreas
Auditorias do Detran expõem falhas de serviço no RS
Azul inicia transporte de passageiros em aeroportos

Santa Catarina ganha cada vez mais evidência no setor portuário brasileiro. Desde 2005 e até 2011 receberá R$ 1,92 bilhão em investimentos. Com estes recursos, a capacidade instalada dos portos do estado vai quadruplicar, chegando a 4,4 milhões/ano de TEUs (unidade equivalente a contêiner de 20 pés).

Dentro desse investimento está, em Itapoá, o Tecon Santa Catarina, que no primeiro semestre de 2010 começa a operar. Trata-se do segundo porto 100% privado do Brasil (o primeiro foi o de Navegantes). Itapoá tem calado natural de 16 metros e colocará o estado na rota dos grandes navios, com capacidade de 9.000 TEU’s e 19 fileiras. Atuará na concentração de cargas de importação e exportação (Hub Port) e com a redistribuição para navegação de cabotagem no Brasil e América do Sul. “Vamos receber qualquer carga conteinerizada, mas como estamos instalados numa região com grande produção de carnes, é natural que frangos e suínos congelados predominem”, diz o diretor superintendente da Itapoá Terminais Portuários, Gabriel Ribeiro Vieira.

Somente nos últimos quatro anos Santa Catarina recebeu R$ 1,01bilhão em investimentos privados, R$ 480 milhões no Porto de Navegantes, incluindo a Câmara Frigorificada (Iceport), R$ 410 milhões em Itapoá e R$ 120 milhões em Imbituba. Estão previstos ainda outros R$ 430 milhões até 2011, sendo R$ 250 milhões em Itapoá e R$ 180 milhões em Imbituba, provenientes da Santos Brasil Participações. Na área pública, o porto de Itajaí está sendo totalmente reformado com R$ 350 milhões do governo Federal liberados após as enchentes de novembro do ano passado. No porto de São Francisco do Sul estão sendo injetados R$ 130 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

O presidente do porto de São Francisco do Sul, Paulo Corsi, considera que se o crescimento da movimentação dos portos for da ordem de 10% nos próximos anos há a necessidade de instalação de um novo berço a cada dois anos, o que mostra a importância dos novos investimentos no setor. “Com a conclusão das obras do porto de Itapoá, prevista para o segundo semestre de 2009, o complexo portuário de Santa Catarina vai se tornar um dos mais importantes da América Latina”, afirma o presidente da Associação Brasileira de Terminais Portuários (ABTP), Wilen Manteli.

Ribeiro Vieira afirma que as obras em Itapoá estão dentro do cronograma e a primeira fase termina em fevereiro do próximo ano quando o porto estará apto a operar 300 mil contêineres. Segundo ele, o investimento inicial no porto, de R$ 410 milhões, foi financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), com US$ 57 milhões, pelos bancos alemães WestLB e o KFW, cada um com US$ 40 milhões e o Info Brasil, fundo de investimento administrado pelo Banco Real com R$ 110 milhões. “São empréstimos normais com garantias dos acionistas”. Segundo a empresa, detalhes como carência, taxas de juros e prazos para pagamento ainda estão sendo negociados.

Os acionistas de Itapoá são a Portinvest, empresa formada pelo Grupo Battistella e pelo Fundo Logística Brasil – Fundo de Investimento e Participações gerido pela BRZ Investimentos, que detém 70% e a Aliança Navegação Hamburg Süd , com 30%. A segunda e terceiras fases do porto vão requerer aportes de mais R$ 250 milhões para a construção de uma ponte adicional e o alargamento do berço. “Pretendemos iniciar a segunda e a terceira fase ainda este ano para que estejam prontas em julho do ano que vem”, afirma Vieira.

O empreendimento apresenta o que existe de mais moderno no mundo no setor. A movimentação de contêineres é monitorada em todas etapas com 4 portêineres Post Panamax, 11 transtêineres e 26 unidades Terminal Tractors. A tecnologia utilizada é do DGPS (Differencial GPS), RFID (Radio Frequency Identification) e ISPS Code (Regulamentação Internacional de Segurança Portuária). Terá apoio logístico de armazéns, câmaras frigoríficas, pátios de contêineres e portos secos. O píer de atracação fica a 230 metros da costa e será ligado ao pátio de contêineres por duas pontes.

Embora privado, o Tecon Santa Catarina custou a sair do papel. O porto de Itapoá nasceu da idéia do grupo Battistella de implantar um terminal portuário que atendesse não apenas a demanda de exportação das suas empresas, como também pudesse atender a demanda da indústria do Estado, contribuindo com o desenvolvimento da região que era carente de infra-estrutura portuária. O Conglomerado Battistella identificou esta necessidade na década de 90, quando teve dificuldades para exportar cavacos de madeira para o exterior pelo porto de São Francisco do Sul.

O local onde está sendo construído o Tecon SC foi descoberto pelo empresário Hildo Battistella num sobrevôo pelo litoral Norte de Santa Catarina, quando percebeu que a cor do mar na região de Itapoá era mais escura, o que indicava maior profundidade. Na região havia um projeto quase centenário de um porto de uso militar, que abrigaria uma base de fuzileiros navais. A base fazia parte de um plano estratégico elaborado numa época em que o Brasil acreditava na possibilidade de se envolver em alguma guerra com países vizinhos. O governo havia desapropriado a área, mas depois a devolveu aos descendentes dos proprietários originais.

O calado natural de 16 metros e a localização na Baía da Babitonga, que já contava com o porto de São Francisco do Sul, foram decisivos para a escolha do local. O grupo Battistella começou a comprar os terrenos em 1991 e só concluiu o processo em 1998.

Posteriormente a Aliança Navegação e Logística (Hamburg Süd) juntou-se ao projeto que passou a contar com o apoio do governo do estado de Santa Catarina na infraestrutura para a melhoria do acesso rodoviário (SC-415) e o fornecimento de energia, com a construção de uma linha de transmissão de 138 kV até Itapoá. A pedra fundamental do porto foi lançada no dia 22 de dezembro de 2005.

Em abril de 2009, a construção do porto, realizada pela Andrade Gutierrez, mobiliza mais de 550 trabalhadores. O Tecon Santa Catarina vai gerar três mil empregos diretos e indiretos e começa a operar no primeiro semestre de 2010, com capacidade instalada inicial para movimentar cerca de 300 mil contêineres/ano.

Os portos privados foram regulamentados no final de outubro do ano passado com a edição do Decreto 6.620, publicado no Diário Oficial da União (DOU). A partir de então, a iniciativa privada passou a poder explorar portos destinados a movimentar cargas de terceiros, mediante concessão do serviço – definido como público na Constituição – por processo licitatório. Os contratos de concessões são de 25 anos, prorrogáveis por mais 25.

COMMENTS