Governo quer cobrar pedágio em 3 rodovias federais de MS

Governador diz que estudo comprovou ser viável a concessão de três rodovias federais para cobrança de pedágio

Conhecimento do Transporte Eletrônico será obrigatório a partir de 1º de agosto
Anac decidirá destino do aeroporto de Rio Branco
Delta tem prejuízo de US$ 1,4 bi no 4º trimestre

O governador do MS André Puccinelli (PMDB) confirmou que estuda implantar a cobrança de pedágio nas rodovias de Mato Grosso do Sul. No entanto, a medida só será possível nas estradas federais.

Estudo do Governo do Estado comprovou ser viável a concessão de três rodovias federais: a BR-163, entre Sonora e Mundo Novo; a BR-262, entre Campo Grande e Três Lagoas; e a BR-267, entre Nova Alvorada e Bataguassu.

Ontem, o Diário Oficial do Estado publicou a abertura de crédito de R$ 8,2 milhões para projetos executivos e estudos. “É abertura da rubrica para colocar na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) e depois no Orçamento”, justificou-se.

Projeto – Segundo Puccinelli, estudo mostrou que pedágio só é viável nas três rodovias federais. O levantamento revelou que o valor pode será inferior ao cobrado nas rodovias paulistas.

Em Mato Grosso do Sul, na BR-163, o pedágio seria de R$ 4 por eixo a cada 80 quilômetros, enquanto São Paulo cobra R$ 5 a cada 50 quilômetros. Se obter a concessão do Governo federal, o Estado a repassaria para a iniciativa privada por meio de parceria público privada (PPP). A cobrança só começaria após as benfeitorias. O projeto prevê a duplicação total da rodovia em 10 anos.

O movimento da BR-163 é de aproximadamente 30 mil veículos pesados por dia. A BR-262 conta com 35% deste fluxo (10,5 mil caminhões e carretas) e a BR-267, 40% do total (12 mil). De acordo com o governador, que prepara o anúncio de mega pacote para pavimentar várias rodovias, não existe nenhuma estrada estadual com viabilidade econômica para a instituição de pedágio.

COMMENTS