Governo quer cobrar pedágio em 3 rodovias federais de MS

Governador diz que estudo comprovou ser viável a concessão de três rodovias federais para cobrança de pedágio

Sadia inaugura nova fábrica, em Pernambuco, mas pode vender outras para se capitalizar
Nova licitação movimentará cargas em trilhos
BNDES recebe US$250 mi para projeto de ferrovia no país

O governador do MS André Puccinelli (PMDB) confirmou que estuda implantar a cobrança de pedágio nas rodovias de Mato Grosso do Sul. No entanto, a medida só será possível nas estradas federais.

Estudo do Governo do Estado comprovou ser viável a concessão de três rodovias federais: a BR-163, entre Sonora e Mundo Novo; a BR-262, entre Campo Grande e Três Lagoas; e a BR-267, entre Nova Alvorada e Bataguassu.

Ontem, o Diário Oficial do Estado publicou a abertura de crédito de R$ 8,2 milhões para projetos executivos e estudos. “É abertura da rubrica para colocar na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) e depois no Orçamento”, justificou-se.

Projeto – Segundo Puccinelli, estudo mostrou que pedágio só é viável nas três rodovias federais. O levantamento revelou que o valor pode será inferior ao cobrado nas rodovias paulistas.

Em Mato Grosso do Sul, na BR-163, o pedágio seria de R$ 4 por eixo a cada 80 quilômetros, enquanto São Paulo cobra R$ 5 a cada 50 quilômetros. Se obter a concessão do Governo federal, o Estado a repassaria para a iniciativa privada por meio de parceria público privada (PPP). A cobrança só começaria após as benfeitorias. O projeto prevê a duplicação total da rodovia em 10 anos.

O movimento da BR-163 é de aproximadamente 30 mil veículos pesados por dia. A BR-262 conta com 35% deste fluxo (10,5 mil caminhões e carretas) e a BR-267, 40% do total (12 mil). De acordo com o governador, que prepara o anúncio de mega pacote para pavimentar várias rodovias, não existe nenhuma estrada estadual com viabilidade econômica para a instituição de pedágio.

COMMENTS