Em protesto contra carga tributária, posto venderá gasolina pela metade do preço no Rio

O valor de R$ 1,27 corresponderia ao preço da gasolina se não houvesse a cobrança de impostos sobre o produto

Audiência deixa população otimista sobre duplicação
Gol faz promoção em rotas da Azul
ANTAQ e governo do Piauí irão trabalhar pelo projeto de viabilidade da hidrovia do Parnaíba

Em protesto contra os impostos que incidem sobre o preço da gasolina, vendida na bomba a R$ 2,54 no Rio, o Posto Repsol, em frente ao Canecão, em Botafogo, zona sul, venderá 4 mil litros do combustível a RS 1,27 na próxima segunda-feira (25). Este valor corresponderia ao preço da gasolina se não houvesse a cobrança de impostos sobre o produto.

Segundo o gerente do posto, que preferiu não se identificar, o protesto ocorrerá no dia em que o Impostômetro, contador que mede a carga tributária do país, atingirá a marca de RS 400 bilhões pagos ao governo, desde primeiro de janeiro.

A venda pela metade do preço não é uma promoção e sim de um ato de protesto promovido por várias organizações não governamentais contra o excesso de tributos que o brasileiro paga. Manifestações desse tipo ocorrerão também, segunda-feira, em mais três capitais: São Paulo, Porto Alegre e Belo Horizonte.

Sobre a gasolina, incidem hoje as cobranças da Contribuição de Intervenção de Domínio Econômico (Cide), do Programa de Integração Social (PIS) e do Financiamento da Seguridade Social (Cofins), tributos federais. Pelo produto, o consumidor paga ainda ao governo estadual o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), de 31%.

No Rio, as vendas serão limitadas a 20 litros de gasolina por veículo. As senhas para abastecer com desconto serão distribuídas a partir das 10h e a venda se inicia às 11h. Somente os consumidores que tiverem a senha poderão abastecer com desconto e, após encerrada a cota de 4 mil litros, a ação será encerrada. O pagamento só poderá ser feito em dinheiro. A diferença no preço do combustível será paga pelas entidades organizadoras da manifestação. (Riomar Trindade/ AB)

Link para a matéria

COMMENTS