Câmara de São Paulo veta projeto de pedágio urbano

Prefeito Kassab excluiu possibilidade de pedágio urbano na cidade para restringir a circulação de veículos na zona central após pressão de vereadores

Ceticismo com o metrô antes da Copa
Brasil precisa de investimentos em portos, diz Ipea
Combustível renovável para jatos

O prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (DEM) excluir definitivamente a alternativa de implementação de pedágio urbano na cidade para restringir o acesso de veículos às regiões de maior incidência de congestionamentos na cidade.

A exclusão da proposta do projeto de controle de poluição e mudanças climáticas do Executivo enviado à Câmara em 2008 veio após pressão feita pelos vereadores, que consideram a medida impopular. Na nova redação do projeto, foi adicionado o texto “fica excluída a adoção de sistema de tráfego tarifado.

O pedágio urbano é utilizado em cidades como Nova York e Londres. O novo projeto, já sem a proposta da tarifação, foi apresentado em plenário. Na redação, há um item que define as regras para os mais de 5.400 ônibus fretados que circulam na Grande São Paulo todos os dias.

Os vereadores querem também a exclusão deste artigo. De acordo com reportagem publicada pelo jornal O Estado de São Paulo, o texto determina que os fretados passem a utilizar combustíveis renováveis, como etanol e o biodiesel, até 2012.

Leia mais notícias sobre restrições no trânsito de SP:

São Paulo aperta o cerco na fiscalização do rodízio
Prefeitura de São Paulo estabelece metas para melhorar o trânsito e cogita mais restrições

COMMENTS