Opel à espera de parceiro para seguir produzindo na Alemanha

Magna International Inc., Fiat SpA e investidores financeiros se mostraram interessados pela Opel, que também comercializa seus veículos no Reino Unido

Volks irá “atacar” a liderança da Fiat em comerciais leves
VarigLog, reestruturada, amplia volume transportado e faturamento
Aumenta o cerco aos postos de combustíveis

A Opel, divisão da General Motors Corp, precisa encontrar um investidor nas próximas semanas, disse o principal líder sindical da filial alemã da GM Klaus Franz. “Temos que alcançar uma decisão nas próximas semanas”, disse Franz. “Não temos mais tempo”, acrescentou.

Magna International Inc., Fiat SpA e investidores financeiros se mostraram interessados pela Opel, que também comercializa seus veículos no Reino Unido. GM, que sobrevive com empréstimos do governo norte-americano, não pode ajudar a montadora e está avaliando vender sua participação na Opel para assegurar € 3,3 bilhões (US$ 4,4 bilhões) em ajuda da União Européia.

Os representantes dos trabalhadores da Opel descartaram um acordo com a Fiat. Os empregados tem o direito de decidir o processo de venda já que o plano de resgate da GM para a filial européia exige que os empregados tenham poder de decisão.

“Estamos abertos a trabalhar com a Magna, mas não com a Fiat”, disse Franz. A Magna, maior fabricante de componentes da América do Norte, ofereceria a Opel acesso a tecnologia e oportunidades para entrar em outros mercados.

A Magna não especificou quanto está disposta a investir e o tamanho da participação que pretente adquirir.

Oferta russa

Rheinische Post, citando pessoas próximas as companhias, informou que a Magna e sócios russos estão buscando € 5 bilhões para financiar a compra de uma participação na Opel. A Magna teria 19% das ações e OAO Sberbank, o maior banco da Rússia, e OAO GAZ, uma montadora com sede em Nizhny Novgorod, teria 31%, segundo o jornal.

Uma operação com a Fiat, que segundo Franz, deverá investir € 400 milhões por uma participação majoritária na Opel, “seria um resgate para a Fiat, as custas da Opel”, disse o representante sindical. As duas companhias européias juntas teriam uma ajuda de € 20 bilhões e uma capacidade adcional de 1 milhões de veículos. (Gazeta Mercantil/Caderno C – Pág. 5)(Bloomberg News)

COMMENTS