MRS vai movimentar o cimento da CSN

O projeto logístico vai atender a nova fábrica de cimentos, que está instalada no interior da Usina Presidente Vargas, em Volta Redonda

Diário Oficial traz publicada exonerção de secretário adjunto da secretaria de portos
Concessionárias do Paraná passam a cobrar por eixo suspenso
Setor ferroviário prevê aportes de R$ 74 bi

A MRS vai transportar o cimento que a CSN (Companhia Siderúrgica Nacional) passa a produzir. O escoamento será feito pelos trens da operadora logística partir deste mês. O projeto logístico será apresentado hoje pelos diretores da MRS Logística e da CSN Cimentos durante a feira Intermodal South America, que está sendo realizada em São Paulo.

O projeto logístico vai atender a nova fábrica de cimentos, que está instalada no interior da Usina Presidente Vargas, em Volta Redonda. Os trens da MRS levarão o cimento ensacado até terminais localizados no estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo. O transporte começa neste mês.

A iniciativa, que envolveu um grande estudo logístico, buscou a melhor alternativa para que o produto possa chegar aos terminais de destino com a maior competitividade possível. Assim, a CSN Cimentos começará a operar com a máxima eficiência de transporte.

O gerente corporativo de marketing e desenvolvimento de soluções da MRS, Fabrício Coelho, explica e, comunicado que a parceria “é um exemplo que deu certo” em razão da importância do projeto logístico. Ele afirma que, desde quando optou por investir no mercado de fabricação de cimento, a CSN buscou definir como escoaria seu produto. “A empresa estabeleceu uma parceria conosco no momento da conceituação de sua nova unidade. Assim, o trabalho de análise sobre a melhor opção foi iniciado no momento certo”.

Para viabilizar o atendimento ferroviário à nova fábrica, a MRS apresentou estudo com os investimentos que seriam necessários. Foram realizadas adequações em terminais estratégicos e em desvios ferroviários, tanto na origem quanto nos destinos. Para o início das operações no modal ferroviário, o projeto contará com 40 vagões que foram modificados, otimizando a capacidade dos mesmos e a movimentação da carga. Outros vagões poderão ser modificados e colocados à disposição com o aumento do volume de expedição.

“Este trabalho é interessante, pois analisamos as necessidades do cliente e a viabilidade de atendê-las de forma eficiente, demonstrando a competitividade da ferrovia em negócios como este”.

Inicialmente o cimento ensacado sairá da fábrica de Volta Redonda com destino a terminais localizados no Rio de Janeiro e São Paulo.

A parceria MRS e CSN Cimentos deverá alcançar a marca de 1,4 milhão de toneladas anuais de transporte ferroviário quando a fábrica de Volta Redonda atingir a sua plena capacidade de produção. “O importante é destacar que estamos preparados para atender os fluxos já contratados, suas expectativas de crescimento e novos mercados a serem atendidos pelo cliente”, conclui Fabrício.

A Companhia Siderúrgica Nacional chega para disputar o rico filão do mercado de cimento, que tem crescido a uma taxa média de 8% nos últimos cinco anos.

COMMENTS