MRS vai movimentar o cimento da CSN

O projeto logístico vai atender a nova fábrica de cimentos, que está instalada no interior da Usina Presidente Vargas, em Volta Redonda

Ponte é saída para não pagar pedágio
Produção industrial tem leve alta em março, mas cai 7,9% no primeiro trimestre
Transportadora de petróleo pensa em evitar Suez

A MRS vai transportar o cimento que a CSN (Companhia Siderúrgica Nacional) passa a produzir. O escoamento será feito pelos trens da operadora logística partir deste mês. O projeto logístico será apresentado hoje pelos diretores da MRS Logística e da CSN Cimentos durante a feira Intermodal South America, que está sendo realizada em São Paulo.

O projeto logístico vai atender a nova fábrica de cimentos, que está instalada no interior da Usina Presidente Vargas, em Volta Redonda. Os trens da MRS levarão o cimento ensacado até terminais localizados no estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo. O transporte começa neste mês.

A iniciativa, que envolveu um grande estudo logístico, buscou a melhor alternativa para que o produto possa chegar aos terminais de destino com a maior competitividade possível. Assim, a CSN Cimentos começará a operar com a máxima eficiência de transporte.

O gerente corporativo de marketing e desenvolvimento de soluções da MRS, Fabrício Coelho, explica e, comunicado que a parceria “é um exemplo que deu certo” em razão da importância do projeto logístico. Ele afirma que, desde quando optou por investir no mercado de fabricação de cimento, a CSN buscou definir como escoaria seu produto. “A empresa estabeleceu uma parceria conosco no momento da conceituação de sua nova unidade. Assim, o trabalho de análise sobre a melhor opção foi iniciado no momento certo”.

Para viabilizar o atendimento ferroviário à nova fábrica, a MRS apresentou estudo com os investimentos que seriam necessários. Foram realizadas adequações em terminais estratégicos e em desvios ferroviários, tanto na origem quanto nos destinos. Para o início das operações no modal ferroviário, o projeto contará com 40 vagões que foram modificados, otimizando a capacidade dos mesmos e a movimentação da carga. Outros vagões poderão ser modificados e colocados à disposição com o aumento do volume de expedição.

“Este trabalho é interessante, pois analisamos as necessidades do cliente e a viabilidade de atendê-las de forma eficiente, demonstrando a competitividade da ferrovia em negócios como este”.

Inicialmente o cimento ensacado sairá da fábrica de Volta Redonda com destino a terminais localizados no Rio de Janeiro e São Paulo.

A parceria MRS e CSN Cimentos deverá alcançar a marca de 1,4 milhão de toneladas anuais de transporte ferroviário quando a fábrica de Volta Redonda atingir a sua plena capacidade de produção. “O importante é destacar que estamos preparados para atender os fluxos já contratados, suas expectativas de crescimento e novos mercados a serem atendidos pelo cliente”, conclui Fabrício.

A Companhia Siderúrgica Nacional chega para disputar o rico filão do mercado de cimento, que tem crescido a uma taxa média de 8% nos últimos cinco anos.

COMMENTS