Montadoras confirmam investimentos no Brasil

“Não atuamos em cima de um plano B, mas em cima do que está acontecendo. Vamos avaliar em dois meses ou dois meses e meio o impacto do IPI e se precisarmos tomar novas medidas ou a mesma medida avaliaremos na época.”

Projeto de duplicação da 381 deve ser assinado esta semana
China vende 3,83 milhões de carros no quadrimestre
Petrobras Biocombustível assina contratos que beneficiarão 31 mil agricultores familiares do Ceará e do Piauí

O ministro do Desenvolvimento, Miguel Jorge, afirmou ontem que as montadoras estão confirmando ao governo os investimentos programados para os próximos anos. Em um evento na Câmara Americana de Comércio (Amcham) sobre o setor, Jorge também avisou que não existe um plano B para a indústria automobilística, caso a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), prorrogada até o final de junho, não tenha o efeito esperado.

“Não atuamos em cima de um plano B, mas em cima do que está acontecendo. Vamos avaliar em dois meses ou dois meses e meio o impacto do IPI e se precisarmos tomar novas medidas ou a mesma medida avaliaremos na época.” O ministro reiterou sua expectativa de que a indústria automotiva repita em 2009 o desempenho de vendas e produção registrado em 2008, a despeito da projeção da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) de queda de 3,9% nas vendas, para 2,710 milhões de unidades, e de retração de 11,2% na produção, para 2,860 milhões de veículos. “O Brasil vai se sair melhor dessa crise do que a maioria dos outros países, com exceção da China e Índia”, disse.

O ministro ressaltou ainda que, em conversa recente, uma das montadoras líderes de vendas no país informou que está finalizando planos para investir US$ 1 bilhão no Brasil para desenvolvimento de um novo modelo e também para duplicar uma das suas unidades fabris. “Outra montadora também já sinalizou que planeja investimentos importantes para o Brasil para desenvolvimento de um novo produto que atenderá o mercado brasileiro e que também será destinado à exportação”, afirmou.

GM – O investimento de US$ 1 bilhão anunciado por Miguel Jorge é muito provavelmente a duplicação da fábrica da General Motors em Gravataí, Rio Grande do Sul. A unidade seria aumentada para receber um novo modelo, parte de um plano de expansão que inclui a construção de uma fábrica de motores em Joinville e o lançamento de 16 modelos.

Ontem, o vice-presidente da General Motors do Brasil, José Carlos Pinheiro Neto, disse que a empresa não remeterá dividendos para a matriz norte-americana neste ano com o objetivo de utilizar os recursos no plano de investimentos previstos para o país. Segundo ele, o programa atual prevê a aplicação de US$ 1 bilhão entre 2008 e 2012.

O vice-presidente da GM do Brasil informou ainda que a empresa não remeteu lucros para a matriz entre os anos de 1999 e 2005, mas que o fez no ano passado. Apesar de não revelar valores, Pinheiro Neto afirmou que “foi muito dinheiro”.

Ford – No mesmo evento da Amcham, o presidente da Ford Brasil e Mercosul, Marcos de Oliveira, aproveitou para assegurar que a empresa mantém a plano de investir R$ 3,4 bilhões no Brasil e Argentina, no período entre 2007 e 2012. Segundo o executivo, os recursos estão sendo aplicados, principalmente, em desenvolvimento de novos produtos e modernização das fábricas.

Apesar de não revelar números, Oliveira afirmou que a empresa espera registrar expansão de vendas e de participação no mercado em 2009. “Fechamos o primeiro trimestre do ano com crescimento de 28% nas vendas e elevamos nosso share de 9,3% para 11,5%, na comparação com igual período do ano passado”, ressaltou.

COMMENTS