Carga tributária é entrave ao crescimento da tecnologia da informação no país, diz Brasscom

O presidente da Brasscom assegurou que a crise internacional passou ao largo do setor de offshore outsourcing, a terceirização de serviços de TIC fora do país de origem

Crise econômica já chegou ao bolso do brasileiro, diz economista
Empresário paga mais caro pela logística, com novas regras para caminhões
Retirada de subsídios beneficiará Mato Grosso

A questão tributária é um entrave ao desenvolvimento do setor de tecnologia da informação (TIC) e comunicação do Brasil, afirmou à Agência Brasil o presidente da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), Antonio Gil. “Sem dúvida, a questão tributária continua sendo um elemento de entrave”.

Gil disse que na comparação com outros países, o setor no Brasil ainda é 53% mais caro do que an Índia, por exemplo. “Por uma série de razões. Você tem a questão fiscal, uma carga de impostos. No âmbito estadual, você tem o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que pressiona as comunicações, elementos fundamentais à indústria, com 40% de impostos”.

O presidente da Brasscom assegurou que a crise internacional passou ao largo do setor de offshore outsourcing, a terceirização de serviços de TIC fora do país de origem. “Porque a grande vantagem de fazer alguma coisa em offshore outsourcing é que fica mais barato do que fazer no próprio país.  As empresas estão buscando redução de custos para enfrentar a situação de crise. E o Brasil tem mão-de-obra competente para fazer esse trabalho e é mais barato do que em países como os Estados Unidos”, afirmou.

O Brasil é atualmente o oitavo maior mercado interno de TIC, mas ainda apresenta participação reduzida no mercado exportador porque o custo da mão-de-obra é mais alto do que na Índia. Em 2008, o setor foi ajudado pela desvalorização do real, que tornou a mão-de-obra brasileira mais competitiva, explicou Antonio Gil.

Ele acredita que neste ano o setor será beneficiado por uma nova lei que reduz em 50% a contribuição do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para empresas exportadoras e elimina a contribuição para o Sistema S (formado por entidades como Sesi, Sesc, Senai e Senac, entre outras), além de  permitir a dedução em dobro dos gastos com capacitação de pessoal e pesquisa e desenvolvimento no Imposto de Renda. “Isso tornou a mão-de-obra mais competitiva, mas ainda não somos competitivos em preço”.

Em contrapartida, o Brasil tem a seu favor a proximidade geográfica com os principais mercados consumidores, como os Estados Unidos, o que não ocorre com a Índia. Contam também a favor do Brasil na terceirização de serviços e softwares (programas de computador) a competência no setor de TIC, a questão cultural e a ausência de fenômenos como o terrorismo.

O Brasil tem o sistema de votação eletrônica mais avançado do mundo. Da mesma forma, os sistemas financeiros do país são os mais avançados no uso de TI, destacou Antonio Gil. Esses fatos colocam o Brasil como uma alternativa à Índia em termos de terceirização de serviços de TIC, argumentou. (Alana Gandra – Repórter da Agência Brasil)

COMMENTS