Ajuda ao agronegócio terá bom impacto no PIB

Por meio do BNDES e de instituições financeiras credenciadas, R$ 12,6 bilhões serão injetados no setor agrícola, principalmente pela utilização das chamadas Linhas Especiais de Crédito

Centro Universitário Senac lança graduação em Logística
Diesel com menos enxofre faz cair emissão de fumaça de ônibus urbanos no Rio
‘Chico Mendes’ embarga duplicação da rodovia (MT)

Reunião extraordinária do Conselho Monetário Nacional (CMN), o governo autorizou um plano de ajuda para o agronegócio. Por meio do BNDES e de instituições financeiras credenciadas, R$ 12,6 bilhões serão injetados no setor agrícola, principalmente pela utilização das chamadas Linhas Especiais de Crédito. Esses recursos serão divididos, atendida a prioridade de socorro às agroindústrias (com exceção das que estiverem em processo de recuperação judicial), com expressa intenção de garantir capital de giro para o setor. Essa linha terá R$ 10 bilhões e será usada na ajuda a frigoríficos, laticínios, cooperativas e indústrias de máquinas e implementos agrícolas. Outro R$ 1,30 bilhão será liberado para um programa especial de estocagem de álcool. Além disso, o CMN elevou em mais R$ 300 milhões os recursos destinados ao programa de desenvolvimento do cooperativismo, que alcançará até o final do ano disposição total de R$ 2 bilhões.

Esses programas de ajuda não se misturam. Cada um deles tem um objetivo próprio. Há, porém, um ponto em comum entre esses diferentes programas: a taxa de juro cobrada pelo BNDES nas linhas de crédito para ajudar o agronegócio será sempre de 11,25% ao ano, com dois anos de pagamento e um de carência. Nesse aspecto, aliás, está um certo tom de derrota do Ministério da Agricultura. Desde bem antes da reunião que bateu o martelo quanto ao plano de ajuda ao agronegócio, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, lutava na área econômica do governo para que a taxa de juro do programa de ajuda acompanhasse a do crédito rural, que é de 6,75% ao ano, a mesma cobrada na Taxa de Juro de Longo Prazo dos empréstimos do BNDES. A opinião do ministro Stephanes foi vencida. O agronegócio consegue recursos nos bancos com taxas entre 12% e 18% ao ano, que são incompatíveis na prática com a lucratividade alcançada pelas empresas, especialmente neste momento de crise internacional. Vale notar que o secretário-adjunto de Política Econômica do Ministério da Fazenda, representante do ministério na solenidade que anunciou o plano, insistiu em informar que não há programa de ajuda para empresas em crise, afirmando: “É capital de giro, só isso”.

A resistência em reconhecer as dificuldades do setor demonstra que o governo ainda não tomou pleno conhecimento do impacto da crise no agronegócio. A perda de 100 mil postos de trabalho, antecipada por reportagem da Gazeta Mercantil, dá bem a medida do tamanho da crise no setor. A Associação Brasileira dos Exportadores de Carne revelou que os 21 maiores frigoríficos do País, incluindo os sete que já pediram recuperação judicial, já demitiram desde o início da crise 52 mil trabalhadores. A outra entidade do setor, a Associação Brasileira de Frigoríficos, também notificou a demissão de outros 15 mil empregados. Além das atividades suspensas dos frigoríficos de médio porte, como, por exemplo, os 15 estabelecimentos parados em Mato Grosso . Com a indústria fechada, os pecuaristas naquele estado chegaram a bloquear estradas para exigir o pagamento de boiadas já entregues. O problema não está restrito a uma região do País. Quando somadas as demissões das empresas coligadas na cadeia produtiva do agronegócio, a perda de postos de trabalho ultrapassa os 100 mil, desde o último trimestre do ano passado.

Este quadro não pode deixar de lado a forte queda nas exportações do setor. Apenas em janeiro e fevereiro, o setor exportou R$ 7,8 bilhões, 14,5% a menos do vendido no mesmo período de 2008. A redução na demanda explica essa queda, obviamente, acompanhada pela forte baixa nos preços da soja e derivados, do milho e da carne. No primeiro bimestre, o setor acumulou superávit de US$ 6,3 bilhões, 8,7% menor do que o alcançado nos dois primeiros meses do ano passado. É fato que as exportações de carne bovina já reagiram, mas o volume exportado no primeiro trimestre do ano ainda é cerca de 20% inferior ao do mesmo período de 2008.

O agronegócio representa 33% do Produto Interno Bruto, 42% das exportações nacionais e é responsável pela geração de 37% dos empregos, segundo dados do Ministério da Agricultura. Apesar do peso inconteste, a ajuda recebida tem sido bem menor do que a oferecida, por exemplo, à industria automobilística, que não representa um terço do PIB do agronegócio. É fato que a ajuda recebida pelas montadoras alcançou um bom resultado. Por que o agronegócio não recebe o mesmo tratamento, uma vez que os resultados dessa ajuda, provavelmente, seriam ainda melhores?

Link para a matéria

COMMENTS