Setor frigorífico acumula R$ 600 milhões em crédito de PIS/Cofins

“Hoje há, provavlemente, um pouco mais”, alertou o presidente da Abiec, Roberto Gianetti. Segundo ele, a liberação desse dinheiro já ajudaria os frigoríficos a enfrentar a crise

Aprosoja mostra benefícios da ferrovia para o Estado
Ecorodovias fecha apólice de R$ 350 milhões com Itaú
Kassab discute no ABC interligação de transporte e Rodoanel

Até 31 de dezembro do ano passado, o setor frigorífico acumulava créditos de cerca de R$ 600 milhões de PIS/Cofins, o que  prejudica o capital de giro das empresas, informou hoje (17) a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec). “Hoje há, provavlemente, um pouco mais”, alertou o presidente da Abiec, Roberto Gianetti. Segundo ele, a liberação desse dinheiro já ajudaria os frigoríficos a enfrentar a crise.

Para ele, o aumento no ritmo de investimentos e de produção dos frigóríficos acabou por deixá-los “vulneráveis” à crise. Gianetti lembrou que o financiamento por parte dos bancos, que antes era de 180 dias, passou a ser de 30 dias e que “o curto virou curtíssimo”.

Durante audiência pública na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado, ele avaliou que a atual situação de crédito tributário se tornou “um verdadeiro pesadelo” e que, caso não seja resolvido, vai reduzir ainda mais o coeficiente de exportação brasileiro e injetar mais carne no mercado interno.

“A exportação é hoje uma variável necessária, não é mais uma opção. O BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social] está aberto a todos, não há distinção de pequena, média ou grande empresa.”

De acordo com a Abiec, um total de 21 emrpesas associadas possuem dívidas com bancos e pecuaristas, além de dívidas tributárias. Gianetti não soube precisar o valor do montante, mas garantiu ser superior a R$ 700 milhões.

Link para a matéria

COMMENTS